Guarda-vidas denunciam falta de equipamentos e profissionais nas praias de Guarapari

4

Guarapari é uma cidade famosa internacionalmente por suas praias e belezas naturais. Mas quem vem aproveitar o verão nas praias do balneário nem imagina que em casos de afogamentos um dia de diversão pode ser transformado em tragédia.

De acordo com os guarda-vidas, o município não oferece infraestrutura adequada para que seja realizado um resgate.

De acordo com os guarda-vidas, o município não oferece infraestrutura adequada para que seja realizado um resgate em caso de afogamento no mar. Segundo um salva-vidas que pediu para não ser identificado, um equipamento chamado life-belt quebrou durante um resgate na Praia do Morro nesta quinta-feira, dia 05 de janeiro.

“A gente fez um resgate ontem e o equipamento de trabalho quebrou por estar muito velho e inadequado para uso. Este equipamento é uma boia que é usada para passar na vítima e em caso de mais de uma auxilia na flutuação das vítimas enquanto a gente resgata outras. Assim como foi utilizado ontem, a gente estava resgatando pessoas com menos de 80 quilos, ele aguenta pessoas de até 150 quilos e a gente resgatando uma pessoa com menos de 80 quilos ele arrebentou e dificultou o resgate. Se fosse mais de uma vítima poderia ter acontecido uma fatalidade”.

Além desse equipamento quebrado, os guarda-vidas afirmam que também existe uma série de material de resgate em falta. “A gente tem um monte de equipamento em falta. Um deles é o próprio life-belt, falta também a pocket mask, que a máscara usada para fazer insuflação ou respiração boca a boca. Isso tinha que ter um para cada um e não tem. No meu posto só tem um guarda-vidas com nadadeira também. Protetor solar já aconteceu da gente receber vencido”. Confira abaixo um vídeo em que os guarda vidas mostram o life belt com a corda partida.

Guarda-vidas afirmam que também existe uma série de material de resgate em falta. Foto: João Thomazelli/Portal 27

Eles denunciam também que faltam equipamentos mais avançados como jet-ski que ajudariam ainda mais na hora do resgate. “O agrupamento Salvamar de Guarapari tem mais de 40 anos e não tem nada disso. A gente sempre brigou por isso aí e nada. A gente lida com vidas, mas pelo que está parecendo para a prefeitura e para o sistema a vida não vale nada”.



Ainda de acordo com os salva-vidas, o número de profissionais também não é suficiente para atender todas as praias da cidade. “O Corpo de Bombeiros fez uma minuta e na baixa temporada teria que ter 120 guarda-vidas e na alta temporada 180 guarda-vidas para guarnecer todas as praias de Guarapari. Nós chegamos a trabalhar na alta temporada nem com setenta guarda vidas. Agora pouco tempo atrás, há duas semanas, entrou mais quinze guarda-vidas só. Mas ainda é muito insuficiente. A única praia em guarnecida é a Praia do Morro, mas tem muita praia sem salva-vidas”.

Os profissionais também afirmam não ter um espaço adequado para trabalhar nem para guardar seus pertences pessoais. “A gente lá só um cadeirão para sentar e um sobreiro. Mas o cadeirão só cabe um e quando chove a gente não tem estrutura de trabalho para ficar na praia então na maioria das vezes a gente vai embora. Aí a praia fica abandonada por falta de estrutura de trabalho que a gente não tem nenhuma. A pouco tem chegaram a roupar até a mochila de um companheiro nosso no posto seis. O posto foi até cercado para inibir o pessoal de ficar perto para não acontecer isso de novo. Mas isso não adianta”.

A Secretaria de Saúde informou que todos os guarda-vidas assinaram um termo de recebimento no ato da entrega do material de trabalho, composto por nadadeiras, máscara, life-belt, short, sunga, camisa, camisa de lycra manga longa e protetor solar.  Disse ainda que caso algum profissional necessite de reposição basta procurar a Gerência de Salvamento Marítimo.

Já em relação à estrutura de apoio, a atual gestão está analisando adequações e melhorias para atender os guarda-vidas. O órgão também afirma que está realizando convocações de salva-vidas que participam de processo seletivo conforme as necessidades.

Institucional M Conveniências [banner top]
Institucional Karla
Institucional MAllagutti

Institucional Flex Motors [banner final]
Vest 2017
Doctum Matricula R$ 90,00


4 Comentários

  1. Sobre a mochila q furtaram no posto 6,era a minha , q foi no dia 30/12/2016 … levaram meus documentos e celular, dinheiro tbm o uniforme reserva … fiz o B.O mas até hj deu em nd e ninguémda chefia veio ver como o posto ta , se nnão for nós guarda vidas pra cercar o posto ia ficar do msm jeito … entra anos e sai anos e nd muda …Guarapariz …

  2. Conheço o pessoal,são uns heróis,eu mesmo já doei um radio HT para eles se comunicarem.Sou testemunha ocular de suas “bravuras”.Assim fica difícil trabalhar.Espero que esta nova administração mude muitas coisas na cidade e sta é uma delas.Enquanto eu puder ajudo e apoio todos.Sucesso GV,Guarapi,voces são FERAS !

  3. ORLY GOMES DEIXOU A PREFEITURA SUCATEADA É UM ABSURDO… CADÊ OS EX SECRETÁRIO DE TURISMO ..ELE NÃO ERA O BAN BAN BAN BAN..
    AINDA BEM QUE O OUTRO NÃO SE ELEGEU, PÔ…AINDA PASSOU UM VEREADOR QUE NÃO ERA NEM PARA SER CANDIDATO…
    ENFIM..DOS MALES O MELHOR..
    ORLY GOMES CONSEGUIU ATÉ SUCATEAR A PAISAGEM DE GUARAPARI

  4. Boa tarde.
    Considero uma falta de respeito com os profissionais e com a população tanto moradores como turistas.
    Fui a praia de Meaípe e não vi guarda-vidas a praia é perigosa, só quem já conhece bem, entra.
    Roubada entrar nessas praias de Guarapari.
    Na verdade eles pedem até pouco, deveria ter um helicóptero para acesso mais rápido. Com um helicóptero o salvamento é bem mais rápido, normalmente o guarda-vidas pula exatamente no lugar onde está ocorrendo o afogamento.
    Mas isso é utopia minha, sorte aos profissionais e denunciem.

DEIXE UMA RESPOSTA