Em entrevista na tarde desta sexta-feira (13) ao Portal27, o delegado da Divisão de Repressão aos Crimes Contra o Patrimônio, Luiz Carlos Claret Pascoal, que está investigando o caso de pedido de propina na Câmara Municipal de Guarapari, disse que já tem elementos para finalizar o inquérito e pedir a prisão de alguns vereadores.

De acordo com o delegado, as investigações estão bem adiantadas e na próxima quarta feira (18), ele quer encerrar os depoimentos dos 15 vereadores.

DSC08997
Delegado afirma que existem provas deste pedido de propina. Foto Wilcler Lopes

Denúncia. O delegado explicou que a investigação começou através da denuncia de empresários do setor de transportes, que disseram ter sido procurados por quatro vereadores, que pediram R$ 100 mil reais para derrubar a Lei 3369/2012 conhecida Lei da bilhetagem eletrônica. O delegado afirma que existem provas deste pedido de propina.

Desdobramento. Ainda de acordo com o delegado, a investigação teve um desdobramento, onde além desta investigação da lei da bilhetagem, dois vereadores também estariam sendo investigados, por terem pedido propina para outro empresário, por uma obra que ele realizou há cinco anos e que não teria recebido da prefeitura. “A obra foi realizada em 2008, mas o pedido de propina aconteceu no ano de 2013”, disse o delegado.

A obra seria de uma quadra no bairro Muquiçaba, onde a empresa afirmava que teria que receber R$ 60 mil reais pelos serviços, mas a PMG só reconheceu a divida de R$ 36 mil reais.

DSC09001
Pascoal explicou que vai pedir a prisão de pelo menos dois vereadores e encaminhar as investigações para a promotoria e para a justiça.Foto Wilcler Lopes

Para “facilitar” o pagamento e aprovar o aditivo de contrato enviado pelo executivo, os vereadores teriam recebido uma “comissão” de R$ 6 mil. “As investigações estão bastante claras, realmente isso parece ter acontecido, por isso vamos concluir o inquérito na quarta feira (18), com alguns pedidos de prisão”, disse ele.

Pascoal explicou que vai pedir a prisão de pelo menos dois vereadores e encaminhar as investigações para a promotoria e para a justiça. “Por não estarem mais em flagrante caberá a estes órgãos competentes decretar ou não a prisão por corrupção passiva”, finalizou.

CPI para afastar acusados

A Câmara de Guarapari pretende abrir uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI), para afastar os vereadores que forem acusados de cobrar propina. A CPI só será aberta após a confirmação das investigações da polícia, informou o presidente da Câmara, Wanderlei Astori (PDT).