A falta d’água na escola e no posto de saúde é pauta recorrente em Amarelos. De acordo como a moradora, Suely Andrade Conceição Rufino, a comunidade vive há cerca 3 anos com esse problema. Ela conta que o caminhão pipa abastece duas caixas d’água, que são divididas entre a escola e posto,  duas vezes por mês, mas que a quantidade não tem sido suficiente.

A moradora fala que na escola as crianças evitam usar o banheiro para falta d’água.

“Aqui é sempre assim, racionamento total, isso quando a água não acaba de vez. O caminhão vem de 15 em 15 dias, abastece duas caixas d’água, que os posto de saúde e escola dividem, e mesmo que a água acabe, ele não volta mais antes desse período. E isso já dura três anos”, diz.

A moradora, que tem 3 filhos na escola, fala que as crianças até evitam ir ao banheiro pela falta d’água. “ Os meninos ficam segurando para não ir ao banheiro para economizar, o estado que o banheiro fica é precário, porque tem que ser lavado só de 3 em 3 dias”, conta.

Ela comenta ainda que a água que a escola consegue para os alunos não é própria para o consumo e que algumas crianças já chegaram a passar mal.

 “Os meus já reclamaram de um pouco de dor barriga, mas parece que o corpo está acostumado. Mas na escola várias crianças chegaram a passar mal. A água que eles bebem é de galão que não sei bem de onde vem, nem lacre tem, somente um copo de plástico em cima. A água para fazer a comida da escola, eles pegam emprestado com o restaurante perto e fica armazenada baldes. Não tem como uma escola seguir assim”, lamenta.

Amarelos não tem água encanada e Suely fala que os moradores conseguem a água através de poços artesianos, mas ela comenta que até mesmo essas são impróprias para o consumo. “Todo mundo tem poço artesiano no bairro, mas já fizeram estudos nessas águas e falaram que ela não servia para o consumo, estava contaminada com ferrugem. Mas como não tem outra forma, a gente continua usando ela mesmo”, conta a moradora.

O vereador, Denizart Luiz, cobra uma posição da prefeitura sobre o problema.

O vereador Denizart Luiz, que é quem está encabeçando esta denúncia no bairro, junto com os moradores, fala que  a comunidade de Amarelos está sofrendo e que precisa ter acesso à água encanada no bairro.

“Tem crianças adoecendo porque ninguém sabe como está a água que bebem, tem que crianças que precisam tomar banho na escola e não podem. Como pode um posto de saúde funcionar sem água? O bairro já devia ter recebido água encanada. Lá deveria ser implantado o pró-rural, um programa que leva água para comunidades rurais, mas isso depende do esforço da municipalidade”, relata o parlamentar.

O Porta 27 buscou a prefeitura, que através de nota, informou que “A CESAN, atendendo a uma solicitação da Prefeitura de Guarapari, realiza o abastecimento da Unidade de Saúde e da escola municipal todas as terças e quintas. Já com relação ao uso de água pela comunidade, é feito através de poço artesiano.

Entretanto, no período da greve nacional dos caminhoneiros, o abastecimento ficou comprometido, mas, já foi normalizado.

O Projeto de Abastecimento da comunidade está contemplado no Plano Municipal de Saneamento Básico solicitado em Lei. O plano de saneamento realizado pela SEMAG com apoio de técnicos da CESAN, foi aprovado por unanimidade pela Câmara de Vereadores em Dez/2017

Assim, a administração estuda a melhor maneira de implantar o Sistema de Abastecimento conforme o que determina o Pró-rural”, informa a prefeitura.