“Hoje não tem mais transporte público, hoje é guerra pública”. A declaração é de um profissional que já atua na profissão há 8 anos, e relata que há passageiros para todos os ônibus, “se cada um respeitar o seu horário, todos os ônibus terão passageiros, mas, partiram pra guerra”.

A disputa por passageiros se tornou comum nas principais avenidas da cidade de Guarapari. Alguns motoristas de ônibus confessam que são orientados a ultrapassar os coletivos e pegar o maior número de passageiros. “A instrução nossa é ultrapassar os ônibus e parar somente nos pontos mais cheios”, relata um motorista da viação Nova Guarapari.

"Agora é guerra", diz um motorista de ônibus. Foto: João Thomazelli/Portal 27
“Agora é guerra”, diz um motorista de ônibus. Foto: João Thomazelli/Portal 27

Segundo o motorista, sempre existiu uma cobrança muito grande por parte dos patrões, e a meta é transportar pelo menos 200 passageiros por dia. “Somos pressionados. Muita gente acaba atirando pedras, pelo fato de deixarmos as pessoas para trás, principalmente os idosos, e eu digo que é injusto e está errado, mas ‘Salve-se quem puder’, a expressão é essa”.

Inclusive, o fato de alguns motoristas de ônibus não pararem nos pontos para o embarque de idoso foi relatada em uma reportagem no Portal27 publicada na última semana, onde os Idosos não têm vez nos ônibus de Guarapari. Um dos profissionais entrevistados, lamenta a situação e ainda completa, “eu realmente não gosto de deixar os idosos no ponto, porque amanhã pode ser minha mãe. E é desumano trabalhar assim”.

As reclamações dos idosos são sobre todos as empresas que operam na cidade. Foto: João Thomazelli/Portal 27
As reclamações dos idosos são sobre todos as empresas que operam na cidade. Foto: João Thomazelli/Portal 27

“A gente entende que a empresa quer renda, e nós precisamos produzir essa renda, e é por esse motivo que deixamos alguns passageiros para trás, para pegar mais em outros pontos. É o nosso emprego que está em jogo. Precisamos entregar um bom caixa no final do dia”.

Cartão de todos. De acordo com um outro motorista, com a inclusão do Guaracard, que seria para melhorar a vida da população, a situação desandou. “Eu acredito que piorou, já que mais de um ônibus acaba andando junto. Tem determinados momentos que fica de 30 a 40 minutos sem coletivo, e a população fica sem transporte”, completou.

Por outro lado, motoristas e cobradores da viação Asatur explicam, que apesar da situação existir, a maioria dos profissionais da empresa não faz isso, já que a orientação por parte da diretoria, é não cometer infrações e respeitar a rota e os horários. “Nós não precisamos correr para pegar passageiros. Se não pegarmos ninguém, ou se pegarmos mil pessoas, nosso salário no final do mês é o mesmo”, explica um cobrador que trabalha há 14 anos na empresa.

Frota de ônibus deve aumentar depois do novo edital. foto: João Thomazelli/Portal 27
Empresa diz que não orienta os motoristas a correrem e nem deixar idosos para traz. Foto: João Thomazelli/Portal 27

“As outras empresas fazem o que querem na cidade, e a prefeitura não se importa”, comenta o cobrador Rudnei Gayguer, que pede mais fiscalização.

Cidade Saúde e Nova Guarapari. Há algum tempo as Viações Nova Guarapari e Cidade Saúde juntaram suas operações e funcionam na mesma garagem, no bairro Aeroporto. Atualmente, quem responde pelas empresas é Maurílio Duarte Junior. ele recebeu a reportagem do Portal 27 e afirmou que não orienta nenhum de seus motoristas a correr ou deixar idosos para trás nos pontos de ônibus.

“Os ônibus têm horários, de forma que a população teria um coletivo a cada dez minutos passando nos pontos se o horário fosse cumprido. Mas muitos motoristas ficam enrolando nos pontos finais e depois saem correndo para pegar passageiros. Na semana passada um motorista atrasou sua saída do ponto final porque estava assistindo o jogo do Flamengo. Este tipo de comportamento é inaceitável”, reclama Maurílio.

O diretor disse ainda que nenhuma orientação foi dada aos motorista para que deixassem passageiros nos pontos. “Nós nos preocupamos com o bem-estar do passageiro e eu nunca iria falar para meu motorista “janelar” paradas para pegar mais passageiros, principalmente os idosos”, finalizou.

Deixe seu comentário