A equipe da Delegacia Especializada de Defraudações e Falsificações (Defa) prendeu em flagrante Danielle Vanessa Salles, de 42 anos. Ela é suspeita de se passar por médica psiquiatra e realizar atendimentos em sua casa.

Até o casamento de Danielle que aconteceu em maio do ano passado, está sob a mira da polícia. A festa e a cerimônia teriam sido bancadas por amigos do casal. Alguns deles faziam tratamento contra câncer. Nas vésperas da cerimônia, a noiva chegou a dar entrevistas à imprensa afirmando ter câncer no cérebro. A prisão ocorreu quinta-feira (17), no bairro Jardim Camburi, em Vitória.

Segundo a responsável pela Defa, delegada Rhaiana Bremenkamp, a operação foi desencadeada por uma denúncia anônima. “Nós recebemos a informação de que a detida dizia ser psiquiatra e estaria realizando consultas em seu apartamento. Depois disso, os policiais apuraram junto ao Conselho Regional de Medicina (CRM) que o código de registro utilizado pela suspeita nem pertencia a ela. Assim, eles foram ao local e a prenderam em flagrante enquanto a suspeita estaria realizando um atendimento”, explicou.

De acordo com a delegada, a detida ainda dizia ser chefe da psiquiatria de um renomado hospital de Vitória. “Já na delegacia, ela negou tudo. Disse que não era psiquiatra e que há oito meses vinha fazendo um curso de psicanálise. Nós juntamos diversas conversas de Whatsapp, nas quais a detida se promovia como médica, com mestrado e doutorado na área. O que foi investigado que é tudo falso”, acrescentou.

A delegada aproveitou para fazer um alerta para o crime que vem aumentando nos últimos tempos. “É importante atentar a população para esses criminosos que se passam por profissionais que não são. Muitas pessoas que procuraram essa suspeita estavam realmente precisando de cuidados médicos. Elas precisavam receber medicamentos. Os atos dela são de tremenda irresponsabilidade, e poderiam ter prejudicado a saúde de muitas pessoas”, ressaltou.

Danielle foi encaminhada ao Centro de Triagem de Viana (CTV) e será indiciada por estelionato, falsidade ideológica e exercício irregular de profissão.

Deixe seu comentário