A Lei que autoriza música ao vivo nos quiosques da orla de Guarapari foi aprovada na semana passada pelos vereadores e assim que chegar à mesa do prefeito, será vetada. Em entrevista ao Jornal A Tribuna, o prefeito Orly Gomes (PDT) disse que existe um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) que proíbe a atividade nas praias.

“Nossas praias são residenciais e não permitem música alta até tarde da noite. Existe um TAC assinado no passado pelo Ministério Público que proíbe música nos quiosques, já que atrapalha o sono de quem precisa trabalhar no dia seguinte”, declara o prefeito.

Quiosque_Wilcler
Projeto de lei de Germano Borges (PSB) autoriza música nos quiosques da orla de Guarapari. Foto: Wilcler Lopes/Portal27

Além do TAC, o chefe do poder executivo também esclarece que a fiscalização não conseguirá atender a demanda. “Nossos fiscais não vão dar conta de atender a demanda porque as pessoas vão extrapolar o horário e perturbar nossos moradores. Teremos problemas caso a Lei seja aprovada”.

O assunto já é debatido entre moradores e donos de quiosques que acreditam a cidade só teria a ganhar com a volta da música ao vivo nas praias. “Nós já tivemos música ao vivo nos quiosques e era muito bom. Ficávamos até às 6h da manhã com aquele monte de turistas animados. Isso é um atrativo para todos, já que muitos viajam para Guarapari com a intenção de se divertir. Sem a atividade, muitos acabam escolhendo outras cidades para passar as férias. Não podemos perder nossos turistas”, disse dona Sueli Botlho, 63, proprietária há 30 anos do primeiro quiosque da Praia do Morro.

Prefeito Orly Gomes anuncia medidas de economia. Foto: PMG
Prefeito Orly Gomes explica que um TAC impede música na orla das praias. Foto: PMG. Foto: PMG

Os presidentes das Associações de Moradores da Praia do Morro e do Centro acreditam que será um atrativo para o turista e até para os moradores também. “O que o turista vai fazer à noite na cidade? Para se ter o melhor verão dos últimos dez anos, é preciso investir na volta da música ao vivo nas praias”, disse Themistocles Neto, presidente da Amocentro.

Já Fátima Fonseca presidente da AMPM, diz que a música ao vivo será muito bem vinda, desde que siga o horário prescrito, até às 23h. Mesmo com as declarações do prefeito, o autor da Lei, o vereador Germano Borges (PSB), disse que quando o veto for encaminhado para a Câmara fará uma reunião com os parlamentares afim de derrubar o veto. “Os comerciantes, ambulantes, músicos, turistas e muitos moradores são a favor da Lei pela melhoria do turismo na cidade. Precisamos da aprovação dessa Lei para que entre em vigor ainda este verão.

Comments are closed.