Alvo de manifestações e acusações há algumas semanas, a presidente da Colônia de Pesca Z3, Marcilene Carneiro Chagas Belo, mais conhecida como Pretinha, procurou a reportagem do portal 27 para dar alguns esclarecimentos sobre a suposta ocupação ilegal de um imóvel em Meaípe.

Pretinha disse que o uso do imóvel é previsto no estatuto da colônia de pesca.
Pretinha disse que o uso do imóvel é previsto no estatuto da colônia de pesca.

Pretinha esclareceu que tudo o que foi feito no imóvel foi com o consentimento da diretoria da colônia, que prevê que os imóveis que fazem parte do patrimônio da entidade podem ser entregues em regime de comodato para qualquer fim.

“Eu entreguei o estatuto para um pescador e pensei que eles iam entender, depois de lerem, que a colônia não é pública. A colônia é privada. Eles estão achando que, por a casa estar em Meaípe, é uma sede, mas não é. Sede só existe uma e fica no Centro. O que eu quero deixar claro para os moradores é que eles não têm direito ao patrimônio da colônia”, declarou a presidente da Z3.

 

Manifestantes foram para a frente da casa protestar contra a ocupação. Foto: João Thomazelli/Portal 27
No dia 25 de abril os moradores foram para a frente da casa e fizera,m uma manifestação. Foto: João Thomazelli/Portal 27

Sobre os questionamentos sobre a legalidade do uso do imóvel para fins particulares, no caso uma moradia, Pretinha esclareceu.

“Legalmente, o estatuto diz que a colônia é privada e que cabe ao presidente e à diretoria, tomar conta do patrimônio, fazer contratos de comodato… Só para vender o imóvel é que precisa de uma assembleia”, concluiu.

No próximo dia 12 de maio, a Colônia vai fazer uma assembleia para decidir se Marcilene continua morado no imóvel ou se terá que sair, mas apenas pescadores que estiverem em dia com a colônia poderão votar. Os votos serão depositados em uma urna e para participar o pescador deve levar um documento de identidade com foto. A votação vai acontecer na sede da entidade, que fica na avenida Getúlio Vargas, próximo à Câmara de Vereadores, no centro de Guarapari das 14 às 17 horas. 

Mais manifestações

Na última quinta-feira (28) moradores do bairro Meaípe foram à Câmara de Vereadores para chamar a atenção dos parlamentares para o problema. Com faixas e cartazes, eles pediram que a casa seja desocupada pela presidente da colônia.

Moradores de Meaípe levaram faixas e cartazes para a Câmara. Foto: João Thomazelli/Portal 27
Moradores de Meaípe levaram faixas e cartazes para a Câmara. Foto: João Thomazelli/Portal 27

Para os manifestantes, muitos deles filhos e filhas de pescadores de Meaípe, a atitude da presidente da Colônia de Pescadores é inadmissível, já que o imóvel foi usado pela comunidade por vários anos. Com palavras de ordens pedindo a saída de Pretinha, os manifestantes pediram aos vereadores que ajudem na situação.

Vereador faz denúncia na Polícia Federal

O vereador Marcial Souza Almeida (Dito Xaréu), do Solidariedade, protocolou no último dia 28 de abril uma denúncia na sede da Polícia Federal sobre a situação em Meaípe.

Ele contou que tomou a atitude depois que recebeu uma recusa da colônia de lhe dar uma cópia do estatuto onde constaria o direito ou não da presidente ocupar o imóvel.

“Foi um assessor não quiseram receber o ofício, então eu fui e mesmo assim não quiseram receber o ofício. Então no dia 28 de abril fomos à sede da PF e fizemos a denúncia”, explicou o vereador, que também é filho de pescador.