Em Cachoeiro de Itapemirim, no último sábado (12) houve registro de alagamentos pela cidade e três desabamentos parciais sem vítimas, afetando 36 famílias, que precisaram ser desalojadas. Também houve queda parcial de duas escadarias e destruição total de outra.

Em Cariacica, a estrutura de uma casa em construção desabou parcialmente no bairro Aparecida. No bairro Castelo branco houve a queda de um muro e de árvores. No bairro Flexal 2 um muro desabou.

chuva-estado-foto-secom
Chuvas fortes tem castigados bairros e cidades de todos o Estado.

Em Vitória houve queda de muro no morro do Cabral, no bairro Moscoso e no bairro da Penha, onde uma rocha rolou e atingiu uma casa, sem deixar vítimas. Na Serra um muro desabou em Nova Almeida, houve um deslizamento de talude em Feu Rosa, e em Campinho da Serra a estrutura de uma casa já interditada desabou, mas não havia moradores.

Acumulados de chuva. Segundo os pluviômetros do Centro Nacional de Monitoramento e Alerta de Desastres Naturais (CEMADEN), os municípios com maiores acumulados nas últimas 24 horas são: Santa Maria de Jetibá (89mm), Santa Teresa (75mm), Afonso Cláudio (73mm), Vila Velha (66mm), Vitória (58mm), João Neiva (57mm), Itarana (53mm) e Cariacica (51mm).

Alertas de chuva. Devido aos significativos acumulado de chuva, o Centro Nacional de Gerenciamento de Desastres (CENAD), pertencente à Secretaria Nacional de Proteção e Defesa Civil (SEDEC/MI) enviou alertas reportando risco moderado de movimento de massa nos municípios de Santa Maria de Jetibá, Viana, Cariacica, Fundão, Santa Leopoldina, Aracruz, Governador Lindemberg, Colatina, Vitória, Vila Velha, Marilândia, João Neiva, Ibiraçu, Serra, Rio Bananal e Rio Novo do Sul. Equipes das Defesas Civis Municipais estão avaliando a extensão dos danos e dando o suporte a população.

chuva
Equipes das Defesas Civis Municipais estão avaliando a extensão dos danos e dando o suporte a população.

O Instituto Nacional de Meteorologia (INMET) mantém alerta para o dia de hoje, reportando risco potencial para fortes chuvas nas regiões Central Serrana, Sudoeste Serrana, Metropolitana, Litoral Sul, Central Sul, Caparaó, Rio Doce e Centro-Oeste.

Orientações
• Em casos de chuvas fortes o mais importante é proteger a sua vida e de seus familiares. Encaminhe-se imediatamente para um lugar seguro;
• Fique atento a movimentações de terra. Trincas no chão, inclinação de cercas, postes e árvores podem indicar o início de um deslizamento. Abandone imediatamente sua casa e procure um local seguro;
• Se houver muita infiltração na casa e acontecer rachaduras nas paredes ou escutar algum barulho estranho, abandone sua residência;
• Tenha sempre em mãos os telefones da Defesa Civil de seu município;
• Em caso de emergências, ligue para o Corpo de Bombeiros. O telefone é o 193;
• Evite as áreas alagadas. Terrenos acidentados, buracos e bueiros abertos, assim como fiação elétrica exposta, podem causar acidentes graves;
• Ao término da enchente, busque orientação da Defesa Civil sobre o retorno para sua residência. É necessário limpar os locais atingidos por água e lama;
• Se a sua residência foi destruída durante a enchente, não retorne a construir no mesmo lugar, porque cedo ou tarde ocorrerá um novo desastre.

No site da Defesa Civil Estadual (www.defesacivil.es.gov.br) estão disponíveis todos os contatos das Defesas Civis Municipais.