Ontem (25) o Portal 27 publicou uma reportagem sobre possíveis crimes ambientais em uma lagoa no bairro São Gabriel em Guarapari. Veja a reportagem aqui. Na manhã de hoje fomos procurados pelo proprietário do terreno onde fica a lagoa, que se formou por causa de uma barragem construída há cerca de 30 anos.

Eles nos explicaram que a tentativa de drenar a lagoa está sendo feita para obedecer uma determinação do Instituto de Defesa Agropecuária e Florestal (Idaf).

O proprietário do terreno mostrou notificação e tem 15 dias para secar a lagoa e derrubar a barragem.
O proprietário do terreno mostrou notificação e tem 15 dias para secar a lagoa e derrubar a barragem.

O proprietário, que pediu para não se identificar, explicou que a barragem estava apresentando vazamentos por causa do grande volume de água das chuvas dos últimos dias. Diante da situação, ele procurou o Idaf, que é o responsável pela fiscalização no local, e para surpresa dele, recebeu uma notificação para que a lagoa fosse drenada em 15 dias, pois a barragem apresentava riscos de rompimento.

O proprietário do terreno ainda argumentou tentando permissão para construir outra barragem ou reformar aquela, mas a ordem foi para que ele não interviesse neste sentido e que secasse a lagoa e só depois, sem água, fotografasse e derrubasse a estrutura de cimento.

“Nós colocamos os canos lá para diminuir a pressão sobre a estrutura, pois é perceptível que ela está rompendo. Mas as pessoas vêm aqui e roubam os canos. Como o terreno é particular, qualquer coisa que aconteça em decorrência do rompimento da barragem, é de minha responsabilidade. Existem várias casas no nível do riacho mais à frente e se romper, pode acontecer uma tragédia”, explicou.

O Idaf notificou o proprietário do terreno para secar e derrubar a barragem em 15 dias. Foto: Repordução
O Idaf notificou o proprietário do terreno. Foto: Reprodução

E finalizou: “É importante as pessoas entenderem que nós não queremos secar a lagoa, mas estamos cumprindo uma notificação de um órgão público. Ela está ali há pelo menos trinta anos, que foi quando eu adquiri o terreno, mas se a barragem romper, pode causar uma tragédia e nós seremos responsabilizados”, desabafou.

E o irmão do proprietário do terreno complementou: “Hoje em dia as pessoas estão tão acostumadas e verem coisa erradas, que quando veem algo assim já pensam, naturalmente, que esse é mais um caso, o que não é. Estamos fazendo isso justamente porque fomos notificados para fazer. Cumprindo uma determinação de órgão competente”.

Árvores envenenadas

Outro ponto discutido por eles foi sobre o possível envenenamento de árvores que estão dentro da propriedade. Eles negaram que sejam responsáveis pelo ato. “Inclusive em um outra propriedade que temos, já mataram várias árvores também. Não sabemos om certeza, mas desconfiamos que seja feito por alguém com interesse na madeira, mas não podemos provar.

Instituto de Defesa Agropecuária e Florestal

Entramos em contato com o Idaf para explicar os motivos da notificação para secar a barragem. Em nota o órgão respondeu o seguinte:

“O Idaf informa que se trata de uma barragem de concreto e não lagoa. O empreendimento apresentava vazamentos e por conta do elevado risco de rompimento o produtor foi notificado para promover o esvaziamento no prazo de 15 dias. Após esse procedimento, ele poderá adequar e regularizar a barragem ou desativar o empreendimento”.

 

Comments are closed.