O FATO:

Eu divinamente amo o nome “Maria” e a simplicidade que ele emana. Também sou admirador das mulheres de Atenas, com todo o empirismo que a letra de Chico Buarque denota.

A palavras magnânimas do meu primeiro parágrafo são para não correr o risco de vê-las confundidas com a mãe do rei Dom João VI, a rainha Maria I, a louca, cuja herança do significado herdamos até hoje – No dia a dia somos “Maria vai com as-outras”. Explico: Repetimos ou concordamos com opiniões acerca de determinado assunto sem ao menos termos o trabalho de averiguar os fatos e suas “razões”. Sabem o por que? Simples… Pensar dá trabalho. O verdadeiro pensamento requer conhecimento para tornar-se uma OPINIÃO – qualquer desvio desta rota é mero achismo de Maria, a louca.

O ARGUMENTO E A PARANÓIA

Quando o novo PDM (Plano Diretor Municipal) foi aprovado em Guarapari, permitindo-se acompanhar as tendências mundiais de ocupação em que a verticalidade traz benefícios à infraestrutura da cidade e maior qualidade de vida pelo aproveitamento dos espaços, a “Turma das Marias” começou a propagar ideias, sem pé e sem cabeça, de que seriam erguidos paredões. Pois bem, paredões são as construções atuais, parede com parede, sem recuos decentes que possibilitem ventilação e a propagação da luz solar – Um bom exemplo disso são as Praias das Castanheiras e Areia Preta. Só para se ter uma ideia de como esta é uma tendência global, no badalado e super valorizado Balneário de Camboriú, em Santa Catarina, estão 05 dos 10 maiores Edifícios do País.

E como ficam as CRÍTICAS? Em sua maioria não se sustentam! Concordo com as palavras do arquiteto Luis Espallargas Gimenez, doutor em Arquitetura e Urbanismo pela Universidade de São Paulo (USP), professor do Instituto de Arquitetura e Urbanismo da USP – São Carlos, pesquisador da arquitetura moderna internacional, brasileira, paulistana e sobre as diversas hipóteses de construção da cidade, segundo critérios visuais associados à estética moderna – em entrevista ao portal vilamundo.org ele diz:
“O problema não reside exatamente na verticalização, mas no processo irracional e errático com que se verticaliza a cidade, na incapacidade de controlar e distribuir edifícios altos, alternando-os com gabaritos baixos. Edificações à margem de um redimensionamento de infraestrutura urbana capaz de suprir densidades maiores.”

Em outras palavras, qualquer crescimento desordenado seja vertical ou horizontal vira MAZELA.

Ao ler os sólidos argumentos do Doutor Gimenez, só posso crer que o resto às vezes beira a PARANÓIA… senão como explicar tantos “disse me disse” a este tipo de assunto, porquanto a legislação é transparente e prevê esses desdobramentos e harmonia? Com a absoluta certeza trata-se de completa falta de conhecimento por parte de quem só sabe atirar pedras.

A PROVA E A SURPREENDENTE BELEZA!

Tornou-se comum ver pessoas pararem na frente de um Edifício na Praia do Morro e que, ao registrarem suas fotos ou selfies exclamam em voz uníssona: “Oh, como é lindo… Oh, majestoso, um marco para Guarapari”. E a admiração não para por aí, vai mais longe… até os que em passado recente eram da “Turma das Marias” dizem: “Realmente, quanta beleza, quanta imponência – ao lado dele todos os outros se perdem ou parecem iguais (rsrsrsr)”.

Após ver uma foto com dezenas de compartilhamentos e comentários, especialmente teve um que achei fantástico: “Gostei desse prédio. Ele valorizou a minha rua e tenho certeza que vai valorizar o meu apartamento aqui na esquina” (rsrsrsr).

O bacana de tudo isso é ver que daqui a alguns anos ao fazer a pergunta: “- Onde você mora?”, teremos a resposta: “- Eu moro depois… ou antes do Maestro!”. Na prática é isso que significa para Guarapari o belíssimo Ed. Maestro, entregue ontem (29/11/14) pela Construtora Versática – Um divisor de águas… e de opiniões também. Com a diferença de que a “Turma das Marias”, agora escassa, já não tem mais argumentos.

Eu sou a favor do equilíbrio e adepto de que toda Selva, mesmo as de Pedra, comporte em seu seio diversas formas de crescimento. Os espaços urbanos podem e devem ser bem estruturados, em alguns casos, repensados, visando sempre a harmonia entre suas formas. Cabe ao poder público gerenciar este modelo com seriedade e perspicácia.

A CRIATIVIDADE

Embora estivesse na cara fazer o comentário de que a Construtora Versatica foi Criativa ao Iluminar todo o Prédio para entrega… vejo que A TREMENDA OUSADIA E CRIATIVIDADE É REVERMOS DIARIAMENTE NOSSOS CONCEITOS E NÃO CEDERMOS ÀS LIMITAÇÕES E INTIMIDAÇÕES. – VIDA CRIATIVA É VIDA FELIZ.

A INSPIRAÇÃO

Engana-se quem pensa que mudar de opinião o torna frágil – ao contrário isso o fortalece e o ampara no crescimento de sua evolução contínua. Talvez por isso me inspiro sempre que posso nestas palavras do célebre autor de ”Les Misérables (1862)”, o poeta e ensaísta francês Victor Hugo: “MUDE SUAS OPINIÕES, MANTENHA SEUS PRINCÍPIOS. TROQUE SUAS FOLHAS, MAS MANTENHA SUAS RAÍZES.”

Então… que venham mais “MAESTROS” – Nossos olhos e Guarapari agradecem!

ED. MAESTRO - GUARAPARI - ES
ED. MAESTRO – GUARAPARI – ES
Deixe seu comentário