Estamos a pouco mais de um mês da festa brasileira mais esperada e famosa mundialmente, o carnaval. Porém, em Guarapari ela pode não acontecer. É que até o momento a prefeitura ainda não se reuniu com os representantes das escolas de samba e dos blocos para definir como os desfiles serão feitos e qual valor será repassado.

Há pouco mais de um mês do carnaval a prefeitura ainda não definiu com as escolas e blocos o valor que será repassado.

Um dos diretores da Escola Mocidade Alegre de Olaria, Tarcísio Ribeiro relatou que até o momento nenhuma verba foi repassada e que está preparando as fantasias com recursos próprios. “Não recebemos nem um real. Estamos literalmente colocando dinheiro do bolso e pegando recursos emprestados com parceiros da escola. A gente que gosta faz tudo para não deixar a peteca cair, mas é muito complicado trabalhar desse jeito. Se não sair a verba, a escola não saí”.

Ele contou que inicialmente houve uma conversa informal com o antigo secretário de Turismo, Miguel Agrizzi, mas que ele ficou de marcar uma reunião com todos os envolvidos e com a sua saída da pasta ela ainda não aconteceu. Enquanto nada é definido a escola  faz o que pode para preparar seu desfile.

“Estamos com um monte de alas já pronta porque estamos trabalhando desde agosto. Agora fizemos um mutirão para fazer melhorias no campo do América, onde acontecem os ensaios, para conseguirmos arrecadar recursos para comprar o material mais caro que falta, pagar funcionários e fornecedores e ainda montar a estrutura dos carros alegóricos”, explicou o diretor da Mocidade Alegre de Olaria.

O diretor da Mocidade Alegre de Olaria, Tarcísio Ribeiro afirmou que sem o repasse a escola não desfila. Foto: Arquivo Pessoal

Tarcísio lembrou que em 2016 as escolas receberem cerca de R$ 50 mil, que foi pago em duas parcelas. Já no ano passado o valor da verba foi igual para todas as escolas,  R$ 35 mil. Segundo ele, na época a previsão era de que a Mocidade de Olaria receberia R$ 55 mil e seu gasto total foi de R$ 80 mil, por isso,  foi preciso cortar alas e carros alegóricos. “Olaria nunca esperou só pela prefeitura, mas o que ela dá é de fundamental importância para a gente”.

O presidente da Juventude de Muquiçaba, George Lyra também reclamou da falta de posicionamento da prefeitura e disse que sem a verba do município não conseguiu preparar nada para o desfile. “Por enquanto não comecei nem ensaio porque acho que não vai ter carnaval.  Fazer ensaios e mexer com fantasias é gerar dívidas para a escola e hoje o comércio  não vende para a escola, mas sim para mim. Se eu fizer dívida, é no meu nome. Então não comecei a fazer nada”.

Ele também afirmou que a escola só desfila se a verba sair. “Se até a semana que vem eles passarem alguma posição ainda dá tempo de nos preparamos. Mas se a prefeitura não passar a verba ninguém vai desfilar porque não tem como fazer nada sem ela”.

George revelou que corre o risco deste ano o repasse ser ainda menor. “Fiquei sabendo que estão querendo abaixar tanto a verba das escolas como as dos blocos. Mas não tem condições. No ano passado já foi feito um acordo de cavaleiros para ter o carnaval. As escolas tiverem que aceitar porque já estavam com dívidas”.

O Portal 27 procurou a prefeitura para saber porque a reunião ainda não foi realizada e se a verba será repassada e foi informado que “todos os detalhes serão oportunamente explanados após a reunião prevista para quarta-feira com todas as escolas e blocos, quando serão informados como será o procedimento”.

Comments are closed.