Uma demonstração do descaso com a saúde  e com o dinheiro público foi constatada na última sexta, 1º, no pronto atendimento de Anchieta. Foi encontrada uma quantidade considerável de material médico hospitalar com a validade vencida, além de equipamentos quebrados e abandonados. De acordo informações da prefeitura, essa situação encontrada seria da administração anterior.

O material estava acondicionado numa espécie de sótão no prédio onde funciona a unidade de pronto atendimento municipal e foi encontrado pelos funcionários, que registraram a descoberta com fotos.

Uma funcionária da unidade informou que além do material descartado ainda sem uso, existem inúmeros equipamentos de suma importância que estão quebrados; alguns ainda sem uso.

Problemas na saúde em Anchieta. Foto: Imagem ilustrativa/Hilda Scopel.
Problemas na saúde em Anchieta. Foto: Imagem ilustrativa/Hilda Scopel.

De acordo com a funcionária, 40 esfigmomanômetros, aparelhos utilizados para aferir a pressão sanguínea estão inutilizados, inclusive os infantis. Ela ressalta que para atendimento da ala infantil existe apenas uma unidade do equipamento.

O procurador do município de Anchieta, Dr. Munir Abud, notificará o Ministério Público Estadual a respeito do material encontrado por se tratar de uso de bem público. “É descaso com o dinheiro público. Desrespeito com a população e os culpados terão que ser responsabilizados e punidos. É o que espera a população anchietense e é o que faremos”, afirma o procurador.

De acordo com o Secretário de Saúde de Anchieta, Deivis Guimarães, um dos maiores problemas da Secretaria de Saúde de Anchieta é a segurança e falta de controle na farmácia e no almoxarifado, que se encontram em situação caótica, tanto na estrutura quanto na operacionalidade.

Nos dois casos, o risco é grande, por exemplo: não existe um sistema de rastreamento de medicamentos e sistema que seja de fato eficaz no controle do estoque, ou seja, a SEMUS não tem controle eficaz da saída e de entrega desses materiais.

A farmácia e o almoxarifado são peças de suma importância para o funcionamento adequado das unidades de saúde e de toda Rede, porém, encontram-se em estado de total precariedade e abandono, em prédios inadequados, que descumprem todos os critérios e normas de qualidade e sem condições de garantir armazenamento seguro.

Deivis informa que equipamentos essenciais para garantir a qualidade de medicamentos termossensíveis, como freezer com controle de temperatura não existem na farmácia, assim como a climatização do almoxarifado, situação que coloca em risco todos os produtos armazenados nestes locais. O secretário atribui o desperdício de material à soma do descontrole da farmácia e a precariedade em que foi encontrado todo o sistema de saúde do município.

Farmácia e Almoxarifado

A Secretaria de Saúde de Anchieta já providenciou novo prédio para instalar a farmácia e esta providenciando um novo local para o almoxarifado. Segundo o Secretário, os prédios que abrigam tais departamentos estão impróprios para uso e representam perigo para servidores e usuários dos serviços.

Na farmácia não há um sistema eficaz de dispensa dos medicamentos que saem para atender as diversas unidades do município, além de não haver armazenamento correto de medicamentos termossensíveis.

Problema com armazenamento foi encontrado. Foto: Imagem ilustrativa/Jamille Scopel.
Problema com armazenamento foi encontrado. Foto: Imagem ilustrativa/Jamille Scopel.

No almoxarifado as condições não são diferentes, além de compartilhar de todos os problemas da farmácia, o prédio encontra-se com a estrutura comprometida e as condições de trabalho comprometem a saúde dos servidores.

Em nenhum dos dois prédios existe sistema de segurança contra incêndio, e as instalações de armazenamento são precárias e inadequadas. O secretário de saúde informa que está sendo feita uma consulta à vigilância estadual sobre a conduta a ser adotada em relação aos medicamentos termossensíveis. “Estamos ampliando o diagnóstico em todas as unidades de saúde no município. Vamos avaliar a estrutura física e operacional, e no levantamento inicial já detectamos inúmeros problemas como falta de acessibilidade, infiltrações, tetos em risco de queda, necessidade de local adequado para armazenamento de insumos e medicamentos, entre outros problemas. É necessário primeiramente garantir a segurança dos servidores e dos cidadãos que utilizam estes locais, depois de organizar a estrutura podemos iniciar nosso projeto de implementação de novas políticas que garantam uma saúde digna e de qualidade a todo usuário do Sistema Único de Saúde”, disse Deivis Guimarães.

Com informações da Prefeitura de Anchieta.

Deixe seu comentário