O caso que gerou revolta na cidade de Guarapari, onde um frentista tentou aliciar uma menina de 8 anos pela internet, só veio à tona por causa de uma mãe atenta.  Foi através dela – cheia de revolta- que o homem de 32 anos foi preso no início da tarde de quarta-feira (16). Ele pagou uma fiança de R$: 7,240,00 e foi liberado no mesmo dia.

O frentista E.G.S, não será identificado pela nossa reportagem a pedido do delegado, enviou por meio de uma rede social, mensagens e fotos com conteúdo pornográfico, como imagens do próprio pênis, para uma menina de 8 anos de idade. Segundo a polícia, ele queria praticar atos sexuais com a criança, querendo que ela se exibisse de forma erótica e sexualmente explicita para ele.

Tiago Felipe Bernardes Dorneles vendo a gravidade do fato e que poderia afetar a sadia formação psíquica e moral da criança, arbitrou uma fiança de 10 salários mínimos ao suspeito.
Tiago Felipe Bernardes Dorneles vendo a gravidade do fato e que poderia afetar a sadia formação psíquica e moral da criança, arbitrou uma fiança de 10 salários mínimos ao suspeito.

O delegado de Plantão, Tiago Felipe Bernardes Dorneles com as provas em mãos, seguiu com a equipe de policiais até a casa do suspeito e o autuou em flagrante por infringir o artigo 241 da lei 8069/90 do Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA).

A lei diz que é crime: Aliciar, assediar, instigar ou constranger, por qualquer meio de comunicação, criança, com o fim de com ela praticar ato libidinoso. Sob pena de reclusão do acusado, de um a três anos e multa.

Tiago Felipe Bernardes Dorneles vendo a gravidade do fato e que poderia afetar a sadia formação psíquica e moral da criança, arbitrou uma fiança de 10 salários mínimos ao suspeito. Os familiares do detido pagaram o valor de R$: 7.240,00 e o colocaram em liberdade.

 

As tentativas de sedução na rede social

O suspeito confessou ter conversado com a vítima.  Ele é vizinho da família.
O suspeito confessou ter conversado com a vítima. Ele é vizinho da família.

A polícia chegou até o homem de 32 anos, após a mãe da menina registrar um boletim de ocorrência no DPJ da cidade.

Ela alega na ocorrência de que a filha só usava a rede para jogos e que na terça-feira (15), por volta das 10h, um rapaz que era vizinho de sua família, começou a puxar assunto na sala de bate papo do facebook. A avó paterna da criança abriu a caixa de mensagens do perfil da neta e se deparou com as tentativas que E.G.S vinha fazendo de falar com a criança.

Nas mensagens, as surpresa quando o rapaz pedia para ver fotos de sua neta e se a mesma sentiria algum tipo de prazer. O frentista então enviou um foto do seu “pênis” para a menina que estranhou a atitude. O homem continuou tendo contato com a vítima até a manhã de ontem na tentativa de aliciar a menor.

O frentista disse em depoimento que tudo não passava de uma brincadeira.
O frentista disse em depoimento que tudo não passava de uma brincadeira.

A polícia tomou ciência do caso e prosseguiu até a residência do suspeito que confessou ser amigo da vítima e ter enviado a fotografia do seu órgão genital para a menor, alegando que tudo não passaria de uma “brincadeira”. Ele foi conduzido à delegacia para que o Delegado tomasse as medidas cabíveis.

 

Mais de 1,4 mil crianças foram estupradas em 3 anos na Grande Vitória

O delegado afirma que o pedófilo age de maneira cautelosa.
O delegado da DPCA afirma que o pedófilo age de maneira cautelosa.

Em 2011 foram registrados 470 casos da Região Metropolitana, em 2012 o número cresceu para 488. Já no ano passado, veio a queda. A estatística chegou ao seu menor índice, com 442 casos.

Segundo a Delegacia de Proteção à Criança e Adolescentes (DPCA), os municípios que lideram esse ranking são: Serra e Vila Velha. A DPCA confirma que o perfil da vítima é de garotas pobres com idade entre 8 e 12 anos.

A maioria dos casos de estupro quando a vítima é menor de idade, acontece nos ambientes intrafamiliares como: padrastos, tios e avós, irmãos mais velhos e até pessoas próximas à família, afirma o Delegado Érico Mangaravite.

“Ele vão conquistando a confiança da família e passam a ter acesso à criança, criando um vínculo com a mesma. É uma pessoa que já tem atração sexual com relação a crianças e se aproxima com intenção de cometer abuso”, disse o delegado.

Deixe seu comentário