O Governo do Estado quer instalar uma usina de dessalinização para converter água do mar em potável no Espírito Santo. O projeto será conduzido em conjunto pela Secretaria de Desenvolvimento (Sedes) e a Companhia de Saneamento Espírito-santense (Cesan), dentro da Carteira de Parcerias Público-Privadas (PPPs) do Estado.

Abastecimento. A proposta, validada pelo Conselho Gestor do Programa de Parcerias de Investimentos (PPI), tem como objetivo oferecer fonte alternativa de abastecimento de água à Região Metropolitana da Grande Vitória e aos municípios de Anchieta e Aracruz.

“Nossa expectativa é de que possamos ter uma usina no Espírito Santo com capacidade para 1.100 litros convertidos de água salgada para água doce por segundo, com volume compatível para abastecer uma cidade com mais de 550 mil habitantes. Ou seja, estamos investindo em alternativas hídricas que possibilitem água de qualidade para consumo humano e para abastecer a indústria, a nossa economia, que é geradora de emprego e oportunidade. Mais do que preocupado, nós estamos trabalhando para gerar iniciativas”, salientou o vice-governador e secretário de Estado de Desenvolvimento do Espírito Santo, Ricardo Ferraço.

A proposta tem como objetivo oferecer fonte alternativa de abastecimento de água.

Chamamento público. A previsão é de que o edital de Procedimento de Manifestação de Interesse (PMI) seja lançado no primeiro semestre deste ano. O PMI é o chamamento público para que empresas possam apresentar estudo de viabilidade e levantamento de dados sobre o projeto em questão.

“A implementação dessa tecnologia representa um marco histórico no saneamento capixaba. A usina de dessalinização é uma medida que evidencia a antecipação do Governo do Estado aos desafios que enfrentamos em relação ao abastecimento de água, especialmente em tempos em que a segurança hídrica se tornou uma preocupação crescente. A iniciativa atende às necessidades imediatas de abastecimento e está alinhada com nossa visão de sustentabilidade ambiental. Por meio do funcionamento eficiente e ecologicamente responsável, estamos minimizando a pressão sobre os mananciais”, destacou o presidente da Cesan, Munir Abud.

Processo. Em novembro de 2023, Ricardo Ferraço e Munir Abud foram ao Chile conhecer de perto a experiência exitosa da usina de dessalinização em operação no deserto de Atacama, que desenvolve o processo usando água do Oceano Pacífico para abastecer residências na localidade.

No mês seguinte, representantes da empresa espanhola GS Inima protocolaram documento de Manifestação de Interesse Privado (MIP) na  Sedes para instalar usinas de dessalinização em território capixaba. A partir da publicação do edital de PMI, outras empresas interessadas terão a oportunidade de propor estudos de viabilidade do projeto.