O rio Meaípe, que passa pelo bairro de mesmo nome, está sufocado por plantas invasoras e virando criadouro de mosquitos. Foi o que constatou a reportagem do Portal 27 em visita ao bairro na tarde de ontem (07). O ponto crítico está nas proximidades da rodovia do sol. Uma camada de vegetação, que inclui tiriricas, taboas e principalmente aguapé, tomam conta da superfície do rio, impedindo o fluxo e colocando em risco os moradores do entorno.

P1000026
Uma camada de vegetação, que inclui tiriricas, taboas e principalmente aguapé, tomam conta da superfície do rio. Foto: João Thomazelli.

O risco é gerado pela possibilidade de uma enchente provocada pelo entupimento das manilhas que ficam debaixo da Rodovia do Sol e dão vazão à água do rio. “No ano passado retiramos uma cama de solteiro que ficou presa dentro da manilha. Com isso, as plantas ficaram presas e provocou um efeito tampão, não permitindo que a água passasse para o outro lado da pista. O rio só não transbordou porque agimos rápido e um comerciante retirou os detritos que estavam bloqueando a passagem da água”, explicou Marcus Ely Vailante, 42, morador de Meaípe.

Vailante relembrou a enchente de 2008, quando várias casas que ficam próximas ao rio foram invadidas pelas águas. Na época, os moradores fizeram uma vala na Rodovia do Sol, para escoar a água que estava represada. “Isso ainda não aconteceu novamente porque desde então não choveu forte na nossa cidade, pois a situação do rio hoje está pior do que estava em 2008”, explicou Ely.

P1000032
“No ano passado retiramos uma cama de solteiro que ficou presa dentro da manilha”, explica Marcus Ely Vailante. Foto: João Thomazelli.

Ele conta ainda que os problemas com a proliferação das plantas começou depois da instalação de uma unidade de tratamento de água da Cesan. “Aliado a isto está o despejo do esgoto dos moradores direto no rio. Com o despejo de matéria orgânica em demasia no rio, as plantas acabam se proliferando de forma incontrolável”, finalizou. Outro problema que tem tirado o sono dos moradores de Meaípe é causado pelo enorme número de mosquitos que se proliferam entre a vegetação que cobriu o rio.

“Duas horas da tarde temos que fechar a casa toda”

Basta mexer nas folhas das plantas para vermos uma quantidade grande de mosquitos voando. Mas o problema não fica apenas no rio. “Duas horas da tarde temos que fechar a casa toda e jogar inseticida, porque não aguentamos de mosquito. Está insuportável viver deste jeito. Alguém tem que tomar uma providência logo”, finalizou Marly Martins, aposentada de 67 anos que mora próximo ao rio.

P1000025
A prefeitura de Guarapari informou que está realizando serviços de limpeza e desobstrução de canais.Foto: João Thomazelli.

O outro lado

Prefeitura. A prefeitura de Guarapari informou que está realizando serviços de limpeza e desobstrução de canais em vários trechos da cidade. “A ação visa minimizar os impactos causados pelas inundações consequentes das fortes chuvas. As desobstruções irão melhorar a vazão das águas provenientes, reduzindo a ocorrência de alagamentos, comuns nesta época do ano”. Ainda de acordo com a prefeitura as obras estão no Bairro Jabaraí e após a conclusão, já existe a previsão de começo no rio Meaípe.

Cesan. Já a Cesan informou que a estação de tratamento de esgoto de Meaípe está funcionando e processa cerca de 18 milhões de litros de esgoto mensalmente e esclareceu ainda: “A Cesan não despeja esgoto sem tratamento no rio. O esgoto in natura (sem tratamento) é despejado pelos próprios moradores e é proveniente de ligações clandestinas na rede de drenagem pluvial por aqueles que não querem pagar a tarifa de esgoto ou é jogado direto no manancial pelos moradores da beira do rio (população ribeirinha)”.

A Cesan informou ainda que apenas 50% das residências estão ligadas à rede de esgoto e pede que os donos de imóveis na região se liguem à rede de esgoto o mais rápido possível. Para mais informações, ligue para o 115.

Deixe seu comentário