No noite de ontem  (16), o senador Cristovam Buarque esteve em Vila Velha lançando seu novo livro “O Erro do Sucesso: a civilização desorientada e a busca de um novo humanismo”. O livro, lançado pela editora Garamond, traz  uma coletânea de textos usado pelo senador em suas palestras no Brasil e no exterior.

O evento, que foi organizado pelo curso de Administração da Faculdade Novo Milênio, aconteceu no Centro de Convenções de Vila Velha, atraindo estudantes, professores, profissionais e políticos capixabas. No fim da tarde o Senador, antes da palestra de lançamento de sua obra, concedeu uma entrevista coletiva aos jornalistas presentes.

16032015-DSC_0201
Cristovam Buarque esteve em Vila Velha lançando seu novo livro “O Erro do Sucesso.

Na coletiva o senador afirmou que Dilma deve pedir desculpas a sociedade e assumir os erros cometidos e pensar uma nova estratégia. Disse ainda que os cortes são necessários, mas devem ser realizado com muito diálogo com todos os setores envolvidos. Para o Buarque os cortes não podem afetar os mais pobres. Propôs que os cortes se iniciem de cima, do Senado e da Câmara Legislativa, cortando diversos gastos que julga desnecessários.

Perguntado sobre a manifestação de domingo (15) afirmou que fortalece a democracia e que a manifestação de domingo continuem no cotidiano das pessoas, propondo que cada brasileiro que se manifestou poderia, por exemplo, carregar seu cartaz para o trabalho, faculdade, escola, etc. A ideia seria fazer com que os protestos sejam sustentados e não um ato que termine no mesmo dia.

16032015-DSC_0121
Na coletiva o senador afirmou que Dilma deve pedir desculpas a sociedade e assumir os erros cometidos e pensar uma nova estratégia. Foto Cristiano Bodart

Sobre o governo Lula, afirmou que tanto Dilma quanto Lula erraram em deixar de investir mais na educação básica, afirmando que ambos os presidentes investiram mais no curso superior por entender que lhes proporcionam mais votos. Para Cristovam Buarque as escolas de ensino primário deve torna-se de responsabilidade do governo federal.

Questionado por quê teria deixado de ser Ministro da Educação no Governo Lula, disse que deixou de ser ministro por desgastes com o então presidente por pensarem diferente em relação a educação. Para ele o governo deveria investir no Ensino Básico e Lula optou por investir no Ensino Superior por, segundo ele, acreditar que lhe daria mais votos.

16032015-DSC_0224
Os textos que ele produziu, pensou em publica-los em forma de livro para facilitar o acesso a estes.Foto Cristiano Bodart

Presidência. Sobre um possível pleito para a presidência, afirmou que atualmente isso não está em sua agenda porque acredita que seu partido não o apontaria, preferindo ficar como coadjuvante do PDT. Mas afirmou que se o indicarem aceitará o desafio com prazer.

Na palestra de lançamento do livro,  tratou de seu novo livro, explicando o que o levou  a reunir seus textos em uma obra. Segundo ele, os textos que ele produziu para suas palestras tinham um fio condutor e que pensou em publica-los em forma de livro para facilitar o acesso a estes.

Diante do público, Cristovam Buarque aproveitou a oportunidade para defender seus ideais políticas, que estão baseados, em grande parte, em maior investimento na educação e no salário do professor. Voltou a defender que as manifestações precisam ser constantes, mas que no momento a saída de Dilma não seria pior para a economia brasileira. No entanto frisou que a pressão popular é importante para o aperfeiçoamento desse e de qualquer outro governo. Mais uma vez afirmou que para sair da crise, o governo precisa cortar gastos, mas de forma que não afeta os mais pobres.

O senados durante vários momentos foi interrompido por palmas dos espectadores. Por fim, dirigiu-se a uma mesa onde tirou fotos com os leitores e eleitores, dando-lhes gentilmente autógrafos.