A audiência pública realizada ontem (21), no plenário da Câmara Municipal, teve duração de mais de quatro horas e contou com a presença em massa da população, mostrando a situação caótica da saúde da cidade.

A audiência foi promovida pela comissão de saúde da Assembleia Legislativa coordenada pelo deputado Hércules da Silveira (PMDB), para discutir a situação do Hospital e Maternidade São Judas Tadeu – que é investigado pela morte de vários bebês – além dos problemas da saúde pública do município.

Compareceram a audiência o promotor da saúde, Otávio Guimarães, o vice-presidente do Conselho Regional de Medicina (CRM), Oswaldo Pavan, o prefeito de Guarapari Orly Gomes, a secretária de saúde, Aurelice Vieira, além de todos os vereadores, representantes da ONG Transparência Guarapari, Conselho de Saúde e Conselho da Mulher e outras entidades.

A audiência foi marcada por aplausos e até vaias, houve exaltação de ânimos quando se cogitava a possibilidade de abertura do Hospital São Judas Tadeu, no entanto o prefeito não descartou essa possibilidade. “Nós vamos criar uma comissão, o Estado vai estar presente, o Ministério Público, o município, a sociedade, a câmara, nessa discussão. O hospital é muito pior fechado do que funcionando”, disse Orly.

O técnico legislativo, Edinho Maioli, presente na audiência ressaltou a boa vontade do executivo. “Eu achei positiva a participação do prefeito Orly. Ele esteve lá, ouviu a todos e certamente saiu com um raio-X da saúde de nossa cidade”, disse ele, que chamou atenção ainda, para a falta de um representante do governo estadual. “Infelizmente, eu não vi ninguém da secretaria estadual de saúde ou do governo”, afirmou.

O diretor clínico do Hospital São Judas Tadeu, Carlo Frederico Machado o informou que se não houver investimentos por parte do poder público para atender as exigências para atendimento pelo SUS, o Hospital não irá reabrir.

Raquel Gerde – Transparência Guarapari

Orly Gomes – Prefeito

Fotos

 

 

Com informações de Rosimara Marinho.

Deixe seu comentário