Este rapaz, Gustavo Perrella, fazia o povo mineiro pagar o salário do seu piloto e o combustível do seu helicóptero
Este rapaz, Gustavo Perrella, fazia o povo mineiro pagar o salário do seu piloto e o combustível do seu helicóptero

E a casa está caindo. O Ministério Público Federal no Espírito Santo denunciou cinco pessoas envolvidas no transporte de 445 quilos de pasta-base de cocaína no helicóptero da Limeira Agropecuária, empresa do deputado estadual por Minas Gerais Gustavo Perrella, apreendido em novembro do ano passado, no município de Afonso Cláudio, Sul do Estado.

Além do piloto da aeronave Rogério Almeida Antunes, foram denunciados por tráfico de drogas e associação para o tráfico o co-piloto Alexandre José de Oliveira Júnior. E não foram só eles. Os responsáveis por descarregar o helicóptero Robson Ferreira Dias e Everaldo Lopes de Souza; e o dono de uma propriedade que servia de base para a organização Elio Rodrigues também foram incluídos na denúncia do MPF.

Se condenados, os cinco podem pegar de cinco a 15 anos de prisão por tráfico de drogas, três a 10 anos por associação ao crime de drogas e ainda ter um aumento de pena em até dois terços por tráfico internacional, já que a droga foi trazida do Paraguai.

Para o MPF/ES, não resta dúvidas de que os denunciados Alexandre, Everaldo, Robson e Elio, tinha noção de que o que estavam fazendo era ilegal. Rogério foi convidado a participar do esquema, como piloto das aeronaves utilizadas para o transporte de drogas, por Alexandre. Segundo a proposta feita, Rogério ganharia R$ 50 mil para fazer o translado, saindo de Belo Horizonte às 7h e retornado às 18h.

O inquérito foi instaurado pela Polícia Federal e teve fim no dia 17 de Janeiro deste ano. Logo, foi encaminhado para o Ministério Público Federal no estado, que assumiu e realizou novas denúncias.

Família tem quebra de sigilo bancário e bloqueio de bens

Zezé Perrela é investigado por causar prejuízo aos cofres públicos
Zezé Perrela é investigado por causar prejuízo aos cofres públicos

A 3ª Vara da Fazenda Pública e Autarquias de Belo Horizonte autorizou nesta quarta-feira (22), por meio de liminar, a quebra do sigilo bancário do senador Zezé Perrella (PDT-MG), de seu filho, o deputado estadual mineiro Gustavo Perrella (SDD), e do irmão do senador, o empresário Geraldo de Oliveira Costa. A medida foi tomada a partir de solicitação do MPE (Ministério Público Estadual) e bloqueia todos os bens da família. O prazo do recurso liminar é de dez dias.

De acordo com a denúncia do MPE de Minas Gerais, eles teriam dado prejuízos aos cofres públicos em contratos feitos sem licitação para a produção de grãos para o programa Minas Sem Fome, do governo de Minas Gerais, entre 2007 e 2009, época em que o Estado era governador pelo senador Aécio Neves (PSDB).

Relembre o caso

Polícia Federal surpreende helicóptero dos Perrella com quase meia tonelada de cocaína
Polícia Federal surpreende helicóptero dos Perrella com quase meia tonelada de cocaína

No dia 24 de novembro do ano passado, uma operação articulada pela Polícia Militar em Afonso Cláudio, descobriu que traficantes estavam usando um helicóptero para transportar cocaína para dentro do estado. No momento que a polícia chegou à fazenda onde a aeronave estava, 455 kg de droga já estavam prontos para seres despachados.

Quatro pessoas foram presas e, junto com elas, a polícia ainda encontrou R$ 16 mil, fruto do comércio de entorpecentes. De acordo com a polícia, há 20 dias já estava sendo investigada a movimentação na propriedade rural, mas a presença do helicóptero chamou a atenção.  No momento que a polícia chegou, os homens estavam retirando a droga do helicóptero e colocando em dois veículos.

Informações sobre a origem da droga e o trajeto do helicóptero ainda são objeto de investigação.

 

 

Deixe seu comentário