Na última quarta-feira, uma mãe, que prefere não se identificar, foi até a Delegacia da Mulher de Guarapari para registar uma ocorrência de estupro sofrido pela filha, de 12 anos. A mãe acusa o padrasto de abusar da menina. De acordo com ela, o padrasto se aproveitava do horário que a menina estava sozinha em casa cometer o crime.

“Eu trabalho como doméstica, durante a manhã ela ficava em casa e depois ia para escola. Estávamos separados há dois meses, ele sabia a minha rotina e ia na minha casa num horário que não tinha ninguém”, conta a mãe.

A mãe fala que o padrasto a ameaçava e a obrigada a tomar pílulas anticoncepcionais.

De acordo com a menina, os abusos vinham acontecendo há quase um ano, e só agora ela teve coragem de se abrir com a mãe. A menor conta, que o padastro a ameaçava de morte com uma faca, caso a criança contasse o que estava se passando para a mãe. Ela fala até, que ele a obrigava a tomar remédios anticoncepcionais. “Ela me contou que ele dava remédio para ela, dava chás. Falava que iria matá-la se ela me contasse. Ela sempre foi uma menina quieta, muito boa, não usava roupa curta, não tem celular, não tem muitas amizades, é uma menina excelente”, conta a mãe

A mãe da menina tem 5 filhos, 2 deles junto com homem que ele acusa de estupro. A mulher conta ainda, que o padrasto criava a menina desde os 2 anos de idade, e que ele já tinha cometido outros crimes, mas que ela não imaginava que o homem chegaria a tanto. “Ele tem várias passagens por tentativa de homicídio , já tentou me matar um vez, mas ele criava ela desde muito pequena, eu nunca podia imaginar que um dia isso ia acontecer”, lamenta a mãe.

A equipe do Portal 27 procurou a Delegacia da Mulher para prestar esclarecimentos sobre o caso Foto: João Thomazelli/Portal 27

A mãe da menina conta, que filha as vezes acordava passando, mas que ela não entendia o motivo do mal estar da filha. “Ela acordava vomitando, tremendo, e ele fala que era charme, que ela preguiçosa. Hoje entendo que era de nervoso por estar guardando isso tudo pra ela”, conta.

A mulher fala também que já foi vítima de estupro aos 10 anos, e que tinha muito receio que um dia isso acontecesse com seus filhos. “Ele sabia que eu já tinha passado por isso, que eu tenho nojo dessas coisas. Eu sofri demais, queria que minha filha não tivesse passado por tudo isso”, diz.

A mãe já está tomando todas as providências para tentar indiciá-lo pelo crime, junto da polícia. Assustada, ela teve que sair de casa com medo que ele as encontrasse. “Ele é uma pessoa dissimulada, uma pessoa ruim, tenho medo que ele encontre a gente e nos faça algum mal, agora que ela me contou”, fala a mulher.

15 anos. A equipe do Portal 27 procurou a Delegacia da Mulher para prestar esclarecimentos sobre o caso, mas a delegada disse que ainda não pode se manifestar sobre o assunto.

Procuramos também o advogado criminalista, Lucas Francisco Neto, para nos explicar sobre qual crime o homem vai responder. Ele fala que, se for comprovado o envolvimento do padastro, ele pode ficar até 15 anos preso. “Se os indícios obtidos no caso forem suficiente para incriminá-lo, ele será enquadrado no  artigo 217-A, que corresponde ao estupro de vulnerável e pode pegar pena de 8 à 15 anos de prisão”, explica o advogado.

Deixe seu comentário