O aeroporto municipal de Guarapari, que há várias décadas está nas rodas de discussões políticas e econômicas de Guarapari, sobre a sua (não) utilidade na cidade, está de volta ao debate. Uma informação divulgada pelo jornal A Tribuna, no dia 27 de setembro, na coluna Dia a Dia, informa que a estatal brasileira do petróleo -Petrobrás- colocou entre os seus planos o arrendamento do aeroporto da cidade.

De acordo com a coluna, em 2011 representantes da Petrobras procuraram a prefeitura da Serra, para sinalizar a intenção de construir uma base aérea na cidade. A ideia acabou não indo à frente e a estatal pensou em  arrendar o aeroporto de Guarapari para esta operação, visando atender às atividades em alto-mar.

Aeroporto2
Estatal pensou em arrendar o aeroporto de Guarapari visando atender às atividades em alto-mar. Foto Wilcler Lopes.

Ainda de acordo com a coluna, a Petrobras começou a pressionar a prefeitura de Guarapari atrás de uma resposta. Tentaram diversos contatos com o poder público municipal, mas obtiveram como resposta que há entraves estruturais e administrativos a serem resolvidos.

Resposta. O portal 27 entrou em contato com a prefeitura para confirmar se houve alguma reunião, algum encontro entre o prefeito e representantes da Petrobrás sobre o aeroporto,  mas o município, através da assessoria de comunicação, afirmou que não vai comentar o assunto.

Aeroporto
Empresa teria desistido de investir na cidade. Foto Wilcler Lopes.

Petrobrás. Procuramos a empresa para saber mais detalhes deste projeto. A Petrobrás confirmou o interesse no aeroporto municipal, mas alegou à nossa equipe, que houve mudança de planos. Confira abaixo a integra da nota enviada pela assessoria da empresa.

“A operação de transporte aéreo de passageiros para as Unidades Marítimas na área do Espírito Santo é realizada através do aeroporto de Vitória e não há previsão de mudança.  Em 2013, a Petrobras realizou estudo para avaliar a viabilidade de utilização do aeródromo de Guarapari, cujo resultado, com base no PNG 2014-2018, apontou para a permanência das operações em Vitória”

Deixe seu comentário