O Município de Piúma, através de sua nova administração, se preparou para o trabalho de combate e prevenção a dengue, estabelecendo metas de trabalho para os agentes de endemias. No mês de janeiro, com uma estratégia recebida do Mnistério da Saúde, a cidade conseguiu obter em quatro dias, o real cenário da situação de proliferação do vetor, essa estratégia é conhecida como LIRA (Levantamento de Índice Rápido).

O levantamento de acordo com algumas premissas, sorteou as residências estratégicas no qual 595 imóveis foram inspecionados e teve como resultado que:

* dos 595 imóveis, apenas 1,2 % apresentaram-se positivos quanto ao vetor, o aedes aegypti.
* constatou-se ainda que na cidade de Piúma, o maior descuido da população tem sido em ralos com água parada, e pratinhos de plantas e pequenos recipientes deixados pelo quintal da residência.

No ano de 2012 em Piúma foram notificados 127 casos de dengue, onde os meses de fevereiro e maio são onde se apresentou o pico dos casos, o ano de 2012 foi bem regular à relação ao país. Casos confirmados não se julgam em comparativo, devido a que nem todos os pacientes suspeitos se apresentam para o exame laboratorial, e que ainda o exame depende de vários fatores para o sucesso de sua análise, o que justifica sempre que número de casos confirmando o tipo viral.

Já em 2013, Piúma contrariou as estatísticas para o município de um possível surto devido a chegada do vírus da dengue tipo 4 no Estado e também ao cenário de municípios vizinhos.
Piúma atualmente é uns dos poucos municípios litorâneos do Estado que conseguiu desacelerar as tendências de forte infestação nos casos de dengue.
Comparando com o ano de 2012 onde até o dia 25 de fevereiro de 2012 foram notificados 33 casos, onde no mesmo período em 2013 foram notificados 47 casos, contabilizando um aumento de 55 % enquanto que a média estadual é de 300 %.

Dessa forma, Piúma saiu da lista dos principais municípios capixabas com fortes ondas de infestação da dengue. Atualmente existem cinco estados que preocupam em relação a dengue onde o Espírito Santo se conta incluído, essa se justifica pelo fato de que toda a população desses estados se encontram vulneráveis ao vírus DEN tipo 4. E nessas três ultimas semanas, o município de Píúma já percebeu a alteração de cenário, seguindo o tendência devido ao vírus tipo 4, entretanto a situação do município se encontra em estado estabilizado.

“A forma que a coordenação da dengue tem encontrado para efetivar o real controle e combate do mosquito transmissor é a comunicação, os agentes têm sido preparados e resguardados para o trabalho de porta em porta, enquanto que os casos notificados pelos postos de atendimentos e hospital são encaminhados a coordenação, que por sua vez rapidamente prontifica uma equipe que faz o bloqueio do local específico onde possivelmente foi feito o contágio ao paciente”, explicou o prefeito Samuel Zuqui

Ainda de acordo com o prefeito, , esse bloqueio tem a finalidade de eliminar o mosquito. Acontecendo essa ação de eliminação, consequentemente o vírus é bloqueado naquela área, evitando a proliferação e contágio de outras pessoas. O maior fator que influência no aumento da população de mosquitos é o calor que aliado a chuvas passageiras criam um ambiente propicio a reprodução do mosquito.

A coordenação de dengue da cidade, ainda desmitifica a hipótese que o mosquito apenas consegue atingir a altura de 1 metro e meio, na verdade é que o fator calor que sai do solo pode criar a possibilidade de o vetor atingir alturas bem maiores do que simples 1,5 metros; nem mesmo moradores de altos prédios em seus apartamentos estão livres do mosquito. “Dessa forma acredita-se que sempre a melhor forma de prevenção é o cuidado, evitando toda e qualquer forma de água parada, independente do local’, finalizou o prefeito.

Deixe seu comentário