Na tarde desta quarta-feira (29) o professor aposentado Augusto Assis do Nascimento, de 54 anos, foi morto a facadas dentro da própria casa, na rua vereador Ozias Santana, no Morro do Atalaia, por conta de um vídeo game.

Segundo a polícia, Wellington confessou ter dado uma facada no peito e outra no pescoço da vítima. Foto: Rafaela Patrício

Segundo a polícia, o autor do crime é Wellington Ribeiro Araújo, de 22 anos, que tinha um relacionamento com a vítima. O jovem foi preso em flagrante nas pedras da praia da Fonte após pular um muro de cerca de três metros para tentar fugir.

Ainda de acordo com a polícia, ele confessou o crime e relatou que o professor comprou o vídeo game para ele, mas não queria deixá-lo levar o aparelho para a casa da avó, onde mora, no bairro Jabaraí. Wellington também contou aos policiais que a Augusto tentou esfaqueá-lo e por isso, ele reagiu e acertou uma facada no peito e outra no pescoço da vítima.

A proprietária da casa e vizinha de Augusto, que preferiu não ser identificada, relatou que ouviu os gritos de socorro. “Eu tinha acabado de chegar da rua e ouvi ele pedindo socorro e o portãozinho aberto. Mas achei que era amigo dele e não dei muita importância. Quando cheguei na minha casa ouvi ele gritando “socorro”, “socorro” e gritei o nome dele e perguntei o que houve. Mas ele só falava socorro aí pedi ajuda para os rapazes da obra e eles disseram que não iriam entrar porque a porta estava fechada e só o portãozinho estava aberto. Aí liguei para a polícia”.

Após o crime, Wellington pulo um muro de cerca de três metro de altura para tentar fugir. Foto: Rafaela Patrício

“Também liguei para o namorado da minha filha e ele veio ajudar. Quando ele abriu a porta o moço deu uma pesada na coxa dele para poder fugir. Ele ainda tentou segurar o rapaz, mas ele conseguiu fugir e a polícia o pegou  na pedra”, contou a vizinha.

Ela disse ainda que a vítima era de Juiz de Fora, em Minas Gerias, mas que já estava em Guarapari há bastante tempo e há três meses havia alugado a casa, onde foi assassinado. “Ele era tranquilo. Gente finíssima. Não tenho nada para falar dele. Anteontem mesmo ele foi na minha casa e disse que estava com um amigo e uns parentes e queria saber se tinha gasto água para poder ajudar. Agora aconteceu essa tragédia”, lamentou a vizinha.

Uma amiga da vítima, que prefere não ser identificada também lamentou a morte do professor. “Fiquei surpresa. Logo ele que era uma pessoa tão boa. A gente não espera uma coisa dessas. Mas a gente não pode falar nada porque a vida é essa, o mundo é esse. O que a gente pode fazer é entregar nas mãos de Deus”.

A prima de Augusto, Simone Araújo, de 45 anos, esteve no local e ficou desesperada ao descobrir que o primo havia sido assassinado. Ela relatou que ele já deu aulas na UFES e que também já havia o alertado sobre Wellington porque desconfiava do jeito do rapaz, já que ele nunca falava com ninguém da família.

Wellington foi encontrado pela polícia em uma pedra localizada na Praia da Fonte e acabou preso em flagrante. Foto: Rafaela Patrício

Simone disse ainda que a relação dos dois havia acabado.“Eu sabia que ia acontecer isso. Eles não brigavam porque meu primo sempre foi uma pessoa da paz e tranquilo. Ele tirou esse cara da rua e pôs ele para dentro da casa dele. Ele era morador de rua e meu primo ajudou e matou a fome dele. Só que meu primo não queria mais conviver com ele”, disse a prima emocionada.

A perícia está neste momento no local. O corpo será levado para o Departamento Médico Legal, em Vitória. Já Wellington foi conduzido para a delegacia da cidade, onde será ouvido pelo delegado de plantão.

Comments are closed.