A Câmara de Vereadores de Guarapari se reuniu na tarde de hoje em duas sessões para colocar em pauta vários temas polêmicos, como o aumento da verba indenizatória dos vereadores e o fim do voto secreto.

A primeira sessão, de caráter extraordinário, que estava marcada para começar às 13 horas, começou com um pouco de atraso. Em pauta estava, entre outros assuntos, o aumento das verbas indenizatórias para os vereadores. Mas logo no começo da sessão, o vereador Thiago Paterlini (PMDB) pediu para que se lesse na íntegra a ata da sessão anterior.

P1000459
Vereadores adiaram a votação do aumento das verbas indenizatórias. Foto: João Thomazelli – Portal 27

O pedido de leitura na íntegra foi feito para atrasar a votação dos outros projetos, já que o projeto sobre o fim do voto secreto na Câmara não tinha entrado na pauta da sessão extraordinária.

“Vi que a matéria não estava na pauta e não gostei. O presidente da Casa disse que colocaria em votação na próxima sessão. Para ter certeza, pedi para que se lesse a ata, para saber o que exatamente o presidente tinha dito”, explicou Paterlini.

Como o texto da ata ainda não estava impresso, mais tempo se passou e por causa do horário da outra sessão que se aproximava, o presidente da Câmara, Wanderlei Astori (PDT), decidiu encerrar a sessão.

“Colocaremos todos os assuntos desta sessão em pauta novamente, mas não sei precisar quando exatamente” explicou o vereador. Wanderlei disse ainda que o reajuste das verbas indenizatórias acompanha o IPCA – índice de preços ao consumidor amplo – um índice usado para reajustar diversas tarifas e salários.

Desde que foi aprovado pela Câmara de Vereadores em 2010, os valores recebidos pelos vereadores nunca foram alterados. Se o projeto for aprovado pela Câmara, os vereadores passarão a receber R$ 866,00 para alimentação, contra os atuais R$ 700,00. Para o combustível, os vereadores que hoje recebem R$ 600 passarão a receber R$ 742. E para o plano de saúde, dos atuais R$ 400 recebidos pelos vereadores, passará para R$ 495,00.

Voto secreto continua

Na sessão ordinária, que começou pouco depois da 15 horas, um dos pontos mais esperados da pauta, a votação para o fim do voto secreto para escolha das comissões e da mesa diretora, foi adiada mais uma vez.

O vereador Sergio Ramos Machado (PMDB) pediu vistas para os Projetos de Lei que preveem o fim do voto secreto para os dois casos. O vereador pediu tempo para analisar as duas propostas.

Com o pedido de vistas, que foi apoiado pela maioria da Câmara, resta pouco tempo para que o projeto entre em discussão novamente no plenário. O vereador do PMDB garantiu que até a próxima sexta-feira devolve o projeto para a Casa.

Deixe seu comentário