As buscas por Lázaro Barbosa, 39, conhecido como o serial killer de Brasília, entraram no 15º dia hoje. Segundo a polícia, ele é o principal suspeito de ter cometido diversos assassinatos e está em fuga, se escondendo na região rural de Goiás, deixando um rastro de vários crimes, como invasões, sequestros e trocas de tiros com os militares responsáveis pela captura.

A Força Tarefa montada para realizar prender Lázaro, que conta com mais de 300 policiais de diversos órgãos, como civis, militares, federais, penais e rodoviários federais, fechou o cerco contra o criminoso na cidade de Girassol, quando recebeu uma denúncia ontem a noite de uma troca de tiros entre um caseiro de uma chácara e o foragido.

O criminoso está fugindo há 15 dias da Força Tarefa, composta por mais de 300 criminosos.

Crimes durante a fuga

Enquanto fugia dos policiais, Lázaro cometeu diversos crimes na região rural de Goiás, fazendo com que moradores do local se mudassem temporariamente para as áreas urbanas, inclusive com alguns deles dormindo em carros na frente de Delegacias de Polícia.

No dia 12 de junho, o criminoso sequestrou seis pessoas e as usou como reféns para despistar a polícia, atirando em três delas. Já no dia 15, ele atirou em outra pessoa, quando sequestrou mais três pessoas para se proteger dos militares.

Discussão no Planalto

Toda a caçada por Lázaro, no entanto, não atingiu apenas os policiais, mas também os políticos. Em Brasília, no Congresso Nacional, está sendo discutido um projeto de lei que obriga os presos a fazer um exame criminológico, que na prática irá avaliar se eles possuem condições de receber os benefícios, como saídas temporárias.

O texto do projeto, inclusive, usa de exemplo o caso de Lázaro, que fugiu da cadeia em 26 de março de 2016 durante uma “Saidinha” de Páscoa, só sendo recapturado cerca dois anos depois, em março de 2018. Ele então foi levado para o presídio de Águas Lindas, onde fugiu em junho do mesmo ano.

O homem se esconde em uma área de mata nos arredores das cidades de Edilândia e Cocalzinho de Goiás, a 130km de Goiânia. Ele é procurado suspeito de matar quatro pessoas de uma mesma família no último dia 9.