Cinco famílias de Olivania, zona rural de Anchieta, estão as escuras. Um problema na rede elétrica os deixou há 7 dias sem luz no local. O servidor municipal, Yuri de Abranches Breder, conta que já foram várias tentativas de resolver a questão, mas que nenhuma delas solucionou a falta de energia.

Há 7 dias eles estão sem energia elétrica no local.
Yuri anotou todos os protocolos das ligações feitas para a empresa solicitando reparo.

Yuri tem anotado os protocolos de todas as vezes que ele pediu um reparo emergencial à EDP Escelsa, ao todo foram 16 ligações. O servidor fala que os técnicos chegam a ligar a energia, mas rapidamente ela cai. “Em todas as ligações vieram técnicos que tentaram resolver o problema. Mas dá meia hora depois e já ficamos sem energia novamente. E o pior que ninguém nos dá satisfação. Não sabemos qual o que está acontecendo”, diz Yuri.

O servidor acredita que o problema na rede seja causado por uma árvore que está encostando na fiação. “ Quando o vento bate a árvore balança os fios e faz com que eles encostem um no outro, fechando um curto-circuito. Um dos técnicos da Escelsa já nos falou que esse deve ser a causa do problema, mas como ele não é o perito, não pode fazer nenhum laudo para a empresa. Já até pedimos a poda da árvore, mas a EDP disse que não faz antes de ter certeza da causa”, comenta.

Na foto é possível perceber que a árvores encosta nos fios.

Yuri conta que já reclamou tanto com a ouvidoria da empresa, quanto com a ANEEL, agência que regula a energia elétrica no país, mas a resposta foi a mesma. “Eles dizem que tem 30 dias apara solucionar o problema. Mas como vamos ficar 1 mês sem energia elétrica. Eles preferem mandar um técnico para tentar reestabelecer a energia 3 vezes por dia, do que mandar alguém para resolver nosso problema”, lamenta.

Yuri conta ainda que as famílias que moram no local estão sofrendo com a falta de energia. “Estamos perdendo alimentos congelados, muitas carnes estão estragando. Pessoas que tomam remédios que precisam ser armazenados na geladeira, mas não conseguem como refrigerar os medicamentos. Sem falar no calor e nos mosquitos, que só conseguíamos aliviar com um ventilador. Até mesmo sem comunicação nós estamos lá, porque os telefones são rurais, precisam de energia para funcionar. Há muitos idoso e crianças, e são pessoas que não podem sair de lá, enquanto tentam resolver  esse problema”, ressalta.

O Portal 27 procurou a EDP Escelsa, que através de nota, informou somente que “A EDP informa que enviará uma equipe ao local nessa sexta-feira, dia 26, e adotará as medidas cabíveis”, afirmou a empresa.