Por Bárbara Hora

A trajetória do meu partido é de luta junto à classe trabalhadora e aos movimentos sociais, com vinte dois anos de existência assumimos a presidência da república elegendo pela primeira vez um operário e oito anos depois repetimos a grande façanha eleitoral, elegendo Dilma a primeira MULHER presidente.

A partir do primeiro mandato do PT o governo foi dando poder ao povo e criando ferramentas para ampliar a participação popular, resgatando o nacionalismo e rompendo com a lógica da elite dominante de que bens e produtos são acessível só para a população economicamente privilegiada.

dilma-rousseff

Não podemos esquecer que rompemos até com o Fundo Monetário Internacional pagando a divida do país, passando de devedor para credor. Não é pouca coisa para um partido jovem fundado por intelectuais, artistas, professores e diversas outras categorias de representação na sociedade.

Porém o governo do PT não avançou em reformas estruturantes como reforma agrária, reforma tributária, regulamentação da mídia, fim fator previdenciário, e estamos com grande dificuldade em implementar a reforma política que o país tanto precisa.

PTÉ importante avaliar que tivemos erros e acertos, mas o PT precisa se REINVENTAR. É um grande partido de massas, sendo o maior da América Latina que muitas vezes se perde nas posições que historicamente defende.

O Partido precisa ter responsabilidade com o governo e com os compromissos assumidos com povo! Os escândalos de corrupção envolvendo seus dirigentes, precisa ser debatido de forma fraterna e transparente dentro do partido, para que o PT dê a devida resposta a sociedade. Como a presidenta sempre diz: “Doa a quem doer!”.

Hoje o PT esta institucionalizado e distante do povo, tem uma grupo conservador interno considerável, dirigentes envolvidos em escândalos de corrupção, por isso se o Partido dos Trabalhadores não mudar de postura, cobrar dos seus dirigentes responsabilidades, pedindo a expulsão dos que são condenados nos casos de corrupção, teremos uma grande sigla que infelizmente não sei a que classe social irá representar e defender no futuro.

Aos 35 anos o PT deve sair da defensiva, voltar-se para a rua e para o povo, fazer à auto-crítica e principalmente ter atitude coerente com a nossa história, pois é esse o caminho que deve trilhar o PT é esse o caminho do partido que mudou o país.

Bárbara Hora
Barbara Hora.

Milito há 16 anos e acredito que se nós militantes disputarmos os rumos do partido no dia a dia, poderemos sim dá uma nova dinâmica e cara ao partido que deverá ser sempre dos Trabalhadores, pois a história não se renega.

Barbara Hora é jornalista e Membro do diretório Estadual do PT/ES

Deixe seu comentário