Uma nova regra deixará de fora do Campeonato Rural 110 jogadores. Em uma reunião feita no carnaval, os clubes que são registrados na Liga de futebol Amador Rural de Guarapari (LIFARG) decidiram que atletas que receberam qualquer tipo de compensação financeira no ano passado estão proibidos de jogar este ano.

Reinvindicação

Os atletas excluídos do campeonato afirmam que o regulamento da liga não proibia a prática no último ano. Além disso, Neto Marchezi, conta que não há recibos ou contracheques que comprovem a tese da liga. “Não existe nenhum documento que mostre que os jogadores receberam. Alguns tiveram ajuda de custo para por gasolina no carro ou na moto para ir até as comunidades jogarem”, conta.

Ainda e acordo com ele, muitos times foram prejudicados com a decisão. “Todos os jogadores da equipe de Buenos Aires estão proibidos de jogar. Acusados de receberem pagamento. Dos doze clubes participantes da liga, somente quatro participaram da reunião que decidiu essa nova regra. Além disso, essa ajuda de custo dada para algumas pessoas não saiu da LIFARG e sim dos próprios clubes”, explica.

Neto também falou que a liga recebe dinheiro e não repassa para os times. “Existem verbas do Governo do Estado e da Prefeitura que a LIFARG ganha e nada é repassado aos clubes. Cada equipe banca seus próprios gastos, sem ajuda deles. Parece que eles estão mais interessados nesses recursos do que na qualidade dos jogos”, disse.

110 jogadores estão de fora do campeonato. Foto: ACOM/Prefeitura de Guarapari
110 jogadores estão de fora do campeonato. Foto: ACOM/Prefeitura de Guarapari

Ele conta que os jogadores estão pensando em reunir forças. “Estamos pensando em criar a Liga dos Atletas Amadores, para ver se conseguimos mudar essa situação judicialmente. Vamos tentar um dialogo na próxima reunião, para mudar essa situação. Iremos levar nosso advogado, mas se não der certo vamos acionar a justiça. Se eles dissessem que só podem jogar pessoas da comunidade, tudo bem. Porém, não é essa questão”, afirma.

Resposta

Ao ser procurada, a presidente da LIFARG, Dyones Azevedo, que tudo foi feito dentro da lei. “Nessa reunião, feito somente com os clubes que estão – de fato – registrados na liga, foi alterado o regulamento. Pessoas que receberam para jogar não podem mais competir. A razão é simples. Queremos manter o amadorismo e melhorar o nível da liga”, garante.

Ainda de acordo com Dyones, já houve recebimento de verba estadual, hoje, isso não ocorre mais. “Não recebemos nada do Governo do Estado faz muito tempo. Em relação à Prefeitura, eles ajudam fornecendo menos de 30% do custo do evento. Gastamos entre 60 e 70 mil reais para realizar o Campeonato. Por isso, é feita aquela festa, os sorteios e são colocadas barraquinhos”, assegura.

De acordo com ela, muitos presidentes de clubes fizeram reclamações sobre os jogadores que, teoricamente, recebem para jogar. “Sempre houve reclamação. Um atleta combina de jogar em uma equipe e na hora da partida, por questões financeiras, muda de time e um clube acaba ficando desfalcado. Agora, isso vai acabar. O futebol vai vir em primeiro lugar”, conclui.