Em 2017, a atual gestão de Anchieta, comandada por Fabrício Petri, se deparou com um cenário de caos na economia da cidade. Além das dívidas deixadas pela administração anterior, o município teria quedas bruscas em sua arrecadação por conta da paralisação da Samarco Mineração, ocorrida no final de 2015.

A atual gestão de Anchieta, comandada por Fabrício Petri, se deparou com um cenário de caos na economia da cidade.

Ações. A previsão orçamentária para os anos seguintes mostrava uma acentuada queda de arrecadação, projetando para o ano de 2019 algo em torno de 127 milhões de reais. Objetivando uma mudança no cenário que hora se desenhava, a administração implementou ações visando incrementar a arrecadação e, principalmente, reduzir os gastos.

Anchieta Criativa e Empreendedora. Com o trabalho realizado ao longo dos dois primeiros anos de gestão, e principalmente apoiada no programa Anchieta Criativa e Empreendedora, conseguiu-se uma considerável elevação no orçamento deste ano.

A arrecadação que seria de 127 milhões saltou, graças ao trabalho da prefeitura, para R$ 199.769.877,57. Desse montante ainda serão retirados os valores do IPASA (19 milhões de reais) e da Câmara Municipal (R$ 13.300.000,00)

Aumento. Dessa forma, o orçamento da prefeitura será de R$ cerca de 167 milhões para 2019. Ou seja, um aumento de mais de R$ 40 milhões, graça à economia alcançada e aos inúmeros projetos que estão fomentando a renda e estimulando ações empreendedoras, o que fazem gerar mais recursos na cidade e nos cofres da prefeitura.

Redução. De acordo com o secretário da Fazenda, Dirceu Porto, mesmo com esse aumento, é preciso ter cautela nos gastos. “Desde 2017, quando assumimos a gestão, iniciamos uma série de medidas para reduzir despesas. Precisamos ter cautela, nossa arrecadação caiu muito e temos muitos gastos com manutenção de prédios públicos e com folha de pagamento”, explicou.

A Prefeitura reduziu em cerca de 50% o número de cargos comissionados e as despesas com locação de imóveis. Além disso, vem realizando um amplo trabalho para captação de recursos. Só em 2018 conquistou cerca de R$ 15 milhões por meio de emendas parlamentares e convênios com os governos federal e estadual.