Banner TOP
JB Padrão

O médico neurologista Bruno da Silva Távora, acusado de burlar o ponto eletrônico em um posto de saúde onde trabalhava na cidade de Piúma, pagou a fiança de quase R$ 50 mil reais e foi liberado ainda ontem (15).

Ele foi preso em flagrante durante atendimento em uma clínica particular, enquanto deveria estar na Unidade de Saúde da cidade. A prisão foi feita pela polícia civil, através das investigações realizadas pelo delegado David Santana Gomes. O neurologista foi autuado por inserção de dados falsos em sistema de informação, por burlar o ponto eletrônico.

Médico neurologista Bruno da Silva Távora, acusado de burlar o ponto eletrônico em um posto de saúde onde trabalhava na cidade de Piúma.

O crime consistia no adiantado do relógio do ponto eletrônico para sair mais cedo do expediente, e depois ele atrasava para que os outros profissionais pudessem bater o ponto normalmente.  O médico pagou o equivalente a 50 salários mínimos de fiança e agora responde em liberdade.

A investigação da polícia contou com a colaboração da prefeitura, que recebeu estratos dos relógios de ponto da Prefeitura de Piúma com adulterações.  Além do médico, mais três profissionais que foram interrogados na Delegacia em Piúma. O médico que é bolsista do Programa Mais Médicos do Governo Federal, atua em Piúma como clínico geral.

CRM. Através de nota o Conselho Regional de Medicina (CRM-ES) disse que “por sua função judicante, não pode se pronunciar sobre casos que devem passar por sindicância e, confirmado indícios de falta ética, virar processo ético-profissional, sob pena de comprometer toda a apuração e análise por emitir antecipadamente juízo de valor”.

A Prefeitura de Piúma disse que por parte da administração as providências administrativas e judiciais serão tomadas se necessário e que estão aguardando o desenvolver do inquérito apurado. O médico não quis se manifestar a imprensa. 

Banner Marcelo
Institucional M Conveniências [banner top]
Institucional MAllagutti
Institucional Basic Idiomas

PMG
Padrão

2 COMENTÁRIOS

  1. Então o relógio é vagabundo demais.Isto já acontecia em 1980 na Mendes Junior.O “ponteiro” levava um por fora para fazer a alegria da peaõzada! Eitha Brasil.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here