A mulher que foi morta no Centro de Guarapari, já foi identificada pela polícia. Seu nome é Débora Santos Rocha, de 25 anos. Ela foi assassinada com 12 tiros na tarde do último Sábado (24), após entrar em uma loja de roupas infantis fugindo de um rapaz que ainda não foi identificado pela Polícia. Reveja a matéria.  

Débora é natural de Bom Jesus do Norte
Débora é natural de Bom Jesus do Norte

A Polícia está agora em busca dos motivos do crime, o que ainda é um mistério com várias versões. Após o assassinato e durante todo final de semana nossa equipe recebeu diversas informações sobre os motivos da morte.

A jovem deixa uma filha de 4 anos de idade.
A jovem deixa uma filha de 4 anos de idade.

As informações obtidas até o momento com a exclusividade do Portal 27, são que Débora morava em Recanto do Sol, na cidade de Anchieta. Em entrevista a imprensa, o irmão de Débora, o mecânico industrial Diego Santos da Rocha, 27, informou que ela veio de Bom Jesus do Norte, com destino a Guarapari.

Segundo ele, a estudante de enfermagem, que tinha uma filha de 4 anos e há mais de um ano deixou de fazer contato com a família. “No começo ela mantinha contato, mas depois parou. A gente tentou falar com ela, mas não conseguiu”, disse ele. O irmão informou que não sabe os motivos da morte de Débora. Ele acha que foi um assalto.

Movimento. A reportagem do Portal27 obteve informações junto a diversas fontes na cidade de  Anchieta, que nos informaram que a morte de Débora foi uma execução. “Esta morte dela está ligada a disputa do controle do tráfico entre os bairros Recanto do Sol e Mãe Bá. Ela esteve envolvida com indivíduos dessas duas gangues”, disse uma pessoa ouvida pelo portal.

Tensão. Segundo moradores, o clima entre os dois bairros anda complicado, bandidos já declararam toque de recolher nesses últimos dias. “Semana passada teve toque de recolher nestas regiões por conta da morte de uma pessoa ligada ao tráfico. Ela fazia parte dessa turma, mas acabou brigando com eles, o que gerou ameaças de todos os lados”, diz a fonte.

Um homem que mora em uma dessas comunidades que estão em guerra, disse que ele e sua família estão refém dessa criminalidade. “Estamos sendo impactados pela criminalidade, pois estamos tendo que permanecer trancados com medo de tudo. Não vemos a hora disso tudo acabar, estamos inseguros, essa guerra tem que acabar, não temos mais paz, só ouvimos toques de recolher e tiros”, diz o comerciante.

Em uma página na Rede Social de Débora, os amigos deixam as últimas homenagens a amiga.
Em uma página na Rede Social de Débora, os amigos deixam as últimas homenagens a amiga.

Policia. A reportagem do Portal27 apurou junto a Polícia Civil de Guarapari, sobre o caso da universitária. O Delegado Alexandre Lincoln disse apenas que o crime tem relação com vingança. Afirmou ainda que as investigações continuam e que operações têm acontecido na região de Anchieta.

O Delegado Alexandre Lincoln vai continuar investigando o caso.
O Delegado Alexandre Lincoln vai continuar investigando o caso.

“As investigações continuam. Nós estamos fazendo diligências nos bairros para conseguir chegar até o suspeito. O que podemos adiantar, é que o crime tem a ver com vingança. Do quê? É o que estamos apurando ainda”.

A equipe do Dr Alexandre, da Delegacia de Crimes Contra a Vida de Guarapari, está em buscas de informações que possam levar ao autor do crime.  Qualquer pessoa pode ajudar a Polícia com o caso. Elas devem entrar em contato com o 181. Não é preciso se identificar.

Deixe seu comentário