A Secretaria Estadual de Segurança Pública (Sesp), através da Policia Civil ainda está analisando os áudios que vazaram e supostamente seriam  do vereador Marcial de Souza Almeida, o Dito Xaréu. A análise está sendo feita a pedido dos vereadores da Comissão Processante de Investigação (CPI) que apurou e fechou o caso pedindo a cassação de Dito.

Segundo a presidente da CPI, vereadora Fernanda Mazzelli, desde o mês de agosto, os parlamentares estiveram na Secretaria de Segurança Pública (Sesp) para uma reunião. “No dia 13 de agosto, nós estivemos na SESP em uma reunião, e pedimos que os áudios fossem periciados, e oficializamos o pedido”, explicou.

A Secretaria Estadual de Segurança Pública (Sesp), através da Policia Civil ainda está analisando os áudios que seriam de Dito Xaréu.

Retorno. No último dia 29, a Justiça deu uma decisão liminar determinando o retorno de Dito Xaréu (SDD) à câmara de vereadores de Guarapari. O juiz Gustavo Marçal da Silva e Silva, que proferiu a decisão, afirmou que faltou a perícia dos áudios de WhatsApp, cuja autoria é atribuída ao vereador cassado no dia 14 de novembro em votação aberta, por 12 votos.

Contrária. Sobre a decisão da justiça, que deu ao Dito Xaréu o direito de voltar à Casa de Leis, a presidente da CPI, questionou. “Eu acho um absurdo essa situação. Usaram uma brecha para que o vereador volte ao cargo. É tudo muito estranho. Nós estamos aguardando esse laudo técnico”, comentou.

Parecer técnico. O vereador Wendel Lima, membro da Comissão contou que um dos motivos de não ter votado pela cassação do Dito foi a falta do parecer técnico. “Meu voto foi me abstendo por causa da falta de parecer técnico. Já que eu como membro da comissão desde o começo pedi que fosse feita a perícia técnica para averiguar a veracidade dos áudios. Ao meu ver, como nós não tivemos tempo hábil de receber essa perícia, a votação foi extremamente política por quebra de decoro parlamentar”, disse.

Análise. Por meio de nota, a Polícia Civil informou que o laudo está em fase de confecção e, assim que for finalizado, será enviado às autoridades competentes. Ouça novamente alguns dos áudios que vazaram.

Defesa. Com relação a perícia que está sendo feita pela Polícia Civil, o advogado de defesa do Dito, Marcos Bittencourt informou que ainda não foram intimados a depor.

“A gente quer que esse mistério seja logo desvendado, pois entendemos que o caso dos áudios não passou de montagem. A voz é muito parecida, tem até cacoetes parecidos, porém são fragmentos de áudio, não existe um diálogo, são frases soltas e o vereador afirma que não foi ele que falou aquilo”, disse Bittencourt.

Ressaltou ainda que tanto ele, quanto o vereador Dito esperam ir até a Polícia Civil para resolver essa situação.

O presidente da Câmara de Vereadores, Enis Gordin e o Procurador já receberam ontem o documento da Justiça e nesta quinta-feira (05), o vereador Marcial de Souza Almeida já volta a trabalhar na Sessão da Câmara normalmente, informou o advogado, Marcos Bittencourt.

 

Deixe seu comentário