Uma audiência pública foi realizada na noite de hoje (9), para dar voz à sociedade Guarapariense, que necessita e cobra um transporte público municipal de qualidade. A Audiência Pública foi realizada no SESC de Guarapari.

Estiveram presentes e compondo a  mesa, vereadores, a representante da prefeitura, Dr. Lúcia Roriz, representantes da Polícia Militar e demais autoridades. Foi notada a ausência do departamento de transito da cidade, da Asatur,  Ministério Público e do Poder Judiciário. A falta dessas entidades,  deixou o  público presente bastante chateado.

O vereador Germano Borges, em seu discurso, disse que a intenção da audiência não é eliminar nenhuma empresa que já exerce seus trabalhos na cidade, mas sim traçar novos rumos para o transporte público.

DSC03530
um bom público compareceu a audiência. Foto: Roberta Bourguignon

Ele explicou ainda, que a audiência serve, entre outras coisas, para que a população possa confiar na condução que a eles é oferecida, uma vez, por exemplo,  que os ônibus não passam nos mesmos horários todos os dias.

Além disso, segundo ele, os moradores do interior também vivem numa realidade que, nunca sabem os horários dos ônibus, que parecem ficar a cargo dos desejos dos motoristas.

Ainda de acordo Germano, são vistos ônibus parados, esperando o ponto encher, para então começarem a rodar, o que deixa o transporte ainda mais complicado.

Veja aqui uma matéria com a procuradora

O vereador Dito Xaréu, usou o seu tempo para dizer que a situação do transporte não é difícil de resolver  “Apenas é preciso vontade” disse ele,  reforçando que é preciso vontade de  querer cumprir o horário, tratar bem as pessoas e seguir as regras necessárias.

Dito lembrou ainda, a situação da bilhetagem eletrônica, que segundo ele, é  outro grande problema, que impossibilita todas as empresas trabalharem da mesma maneira, pois com a implantação do Guaracard,  só uma empresa teria sido beneficiada. O vereador explicou que o cartão deveria ser apresentado como cartão “Asaturcard”, afirmou.

O vereador Lincoln Bruno reforçou a implementação de micro-ônibus, para que atenda aos moradores onde os ônibus não podem passar, seja por falta de estrutura nas ruas ou até mesmo por não estarem dentro das rotas.

DSC03525
diversas autoridades estiveram presentes. Foto: Roberta Bourguignon

Lincoln ainda reclamou do poder judiciário, que segundo ele, julga a prefeitura por não abonar as licitações e a Dr. Lúcia ainda disse: “O município não pode ir diretamente ao poder judiciário, precisamos cumprir a ordem do juiz, todo descumprimento gera multa de até mais ou menos 100 mil reais ao dia”, diz.

“O sistema coletivo está nas mãos das pessoas erradas”, afirmou o vereador Oziel. O vereador Jorge Ramos deixou claro que o transporte precisa funcionar de acordo com o que a população precisa. “Dessa forma o transporte precisa crescer, uma vez que a população também cresceu”, disse.

O vereador Gedson Merízio deu a ideia de criar uma comissão, para estudar toda a situação do transporte coletivo da cidade. Ao final dos discursos, o público presente também pode questionar e debater o transporte da cidade.

Por Roberta Bourguignon

Deixe seu comentário