Um projeto de lei que pretendia barrar o Uber em Guarapari foi derrubado por unanimidade pela Câmara Municipal, durante sessão extraordinária realizada na quarta-feira (08).  O projeto de lei é de autoria do ex-vereador Germano Borges (PSB) e já havia sido vetado pelo ex-prefeito Orly Gomes (PDT) no ano passado.

Na sessão desta quarta, o veto ao projeto de lei do ex-vereador foi mantido por unanimidade pelos 13 vereadores que compareceram à sessão.

O projeto é de autoria do ex-vereador Germano Borges e o veto foi mantido por unanimidade pelos 13 vereadores que compareceram à sessão.

Germano explicou ao Portal 27 porquê fez o projeto que proibia o serviço na cidade. “O Uber não paga imposto em Guarapari. Não tem registro então não se sabe quem está trabalhando. Qualquer um pode vir e cadastrar um carro de fora no Uber e trabalhar aqui dentro. Trabalha mais barato e tira a renda dos taxistas. Fiz esse projeto pensando nos carros legalizados, que são os taxistas. Se o Uber fosse legalizado, eu não teria nenhum problema para colocar um projeto para ajudá-los, mas não é legalizado. Então não tem imposto nenhum para a cidade”, disse ele.

Germano Borges é o autor da Lei que proíbe o Uber em Guarapari.

Liberado. Na prática com a derrubada da lei não há nada que impeça o serviço do Uber de funcionar em Guarapari. Seguindo Germano, sem a lei proibindo o Uber, os taxistas serão prejudicados. “Esse veto veio prejudicar os taxistas, que são legalizados e estão pagando impostos e os carros financiados. Tem taxista que paga mil reais de prestação e não faz R$ 300,00. Está todo endividado porque o Uber vem e trabalha mais barato na cidade, não deixa imposto, não paga nada e deixam ele trabalhar. Enquanto isso, o taxista fica encostado no ponto sem ter condições para tratar da família, sem condições de consertar um carro porque entra as pessoas que não estão legalizadas”, afirmou.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here