Um projeto de lei que pretendia barrar o Uber em Guarapari foi derrubado por unanimidade pela Câmara Municipal, durante sessão extraordinária realizada na quarta-feira (08).  O projeto de lei é de autoria do ex-vereador Germano Borges (PSB) e já havia sido vetado pelo ex-prefeito Orly Gomes (PDT) no ano passado.

Na sessão desta quarta, o veto ao projeto de lei do ex-vereador foi mantido por unanimidade pelos 13 vereadores que compareceram à sessão.

O projeto é de autoria do ex-vereador Germano Borges e o veto foi mantido por unanimidade pelos 13 vereadores que compareceram à sessão.

Germano explicou ao Portal 27 porquê fez o projeto que proibia o serviço na cidade. “O Uber não paga imposto em Guarapari. Não tem registro então não se sabe quem está trabalhando. Qualquer um pode vir e cadastrar um carro de fora no Uber e trabalhar aqui dentro. Trabalha mais barato e tira a renda dos taxistas. Fiz esse projeto pensando nos carros legalizados, que são os taxistas. Se o Uber fosse legalizado, eu não teria nenhum problema para colocar um projeto para ajudá-los, mas não é legalizado. Então não tem imposto nenhum para a cidade”, disse ele.

Germano Borges é o autor da Lei que proíbe o Uber em Guarapari.

Liberado. Na prática com a derrubada da lei não há nada que impeça o serviço do Uber de funcionar em Guarapari. Seguindo Germano, sem a lei proibindo o Uber, os taxistas serão prejudicados. “Esse veto veio prejudicar os taxistas, que são legalizados e estão pagando impostos e os carros financiados. Tem taxista que paga mil reais de prestação e não faz R$ 300,00. Está todo endividado porque o Uber vem e trabalha mais barato na cidade, não deixa imposto, não paga nada e deixam ele trabalhar. Enquanto isso, o taxista fica encostado no ponto sem ter condições para tratar da família, sem condições de consertar um carro porque entra as pessoas que não estão legalizadas”, afirmou.

Comments are closed.