Doar sangue é um processo fácil, rápido, seguro e solidário, que pode salvar vidas de amigos ou desconhecidos, de pessoas de perto ou de longe, principalmente daqueles que são vítimas de acidentes de trânsito.

Na Grande Vitória, as doações de sangue mudaram a vida de pelo menos duas pessoas, que se acidentaram no trânsito nos últimos dois meses.

Um dos acidentes envolveu Mohamad Daher Seifeddine, 28 anos. Um problema mecânico foi o suficiente para que o caminhão dirigido por ele caísse dentro de um rio. O acidente aconteceu há dois meses em Alfredo Chaves, quando ele seguia do Espírito Santo para a cidade de Angra dos Reis, no Rio de Janeiro, onde mora.

Um dos acidentes envolveu Mohamad Daher Seifeddine, 28 anos.

Internado há 62 dias no Hospital Estadual de Urgência e Emergência (HEUE), em Vitória, Mohamad, foi submetido a seis cirurgias e precisou de duas transfusões de sangue, sendo a primeira no dia 19 de janeiro e a segunda no dia 2 de fevereiro. Hoje, ele agradece às pessoas que se disponibilizam em doar sangue.

“Doar sangue é um gesto nobre. Quando você se dispõe a doar, você não olha cor, raça ou condição social, você simplesmente ajuda o próximo. Que as pessoas se conscientizem da importância de doarem sangue, porque a gente nunca sabe quando vai precisar. Eu mesmo tive anemia neste período de internação e necessitei da ajuda de outras pessoas”, disse o paciente.

Outro caso envolveu Jeferson de Manaces da Silva, 35 anos. A moto que ele pilotava colidiu com um ônibus, no dia 29 de janeiro. Ele foi levado para o Hospital Estadual Dr. Jayme Santos Neves, na Serra, onde permanece internado após passar por cinco cirurgias. Ainda sem conseguir se sentar na cama, ele contou que em cada uma das cirurgias precisou receber sangue.

Ele, que nunca pensou em ser doador de sangue, mudou de opinião após precisar das transfusões. “Eu nunca tinha pensado na importância da doação de sangue, mas nessa cama comecei a me questionar e agradecer o apoio da minha família, amigos e daquelas pessoas que nem me conhecem. Eles salvaram minha vida. Se não tivesse as bolsas de sangue aqui, eu teria morrido. Assim que tiver condições vou fazer minha parte e doar sangue também”, disse.

Hemoes no Carnaval

Esses são apenas dois exemplos de pessoas que precisaram receber sangue de doadores voluntários após serem vítimas de acidentes de trânsito.

Pensando na maior probabilidade de acidentes por conta do aumento do fluxo de veículos nas rodovias que cortam o Estado durante o Carnaval, o que consequentemente aumenta os riscos de acidentes, o Hemocentro do Espírito Santo (Hemoes) estará de portas abertas para receber doadores voluntários durante os dias de folia. É importante não deixar de doar. No período do feriado prolongado há uma baixa significativa de 20% a 30% no estoque de sangue.

Outro caso envolveu Jeferson de Manaces da Silva, 35 anos.

De acordo com a diretora técnica do Hemoes, Rachel Lacourt, durante o Carnaval é necessário o aumento de estoque nos bancos de sangue, em especial o tipo O-, que, por ter fator RH universal, ou seja, pode ser transfundido em pessoas com qualquer outro tipo sanguíneo, é o primeiro utilizado em caso de emergência, em que não há tempo para identificar o tipo sanguíneo do paciente.

Rachel faz um apelo pela necessidade de um estoque favorável desse tipo sanguíneo, especialmente nesta época do ano, e alerta também para a importância da doação de todos os tipos sanguíneos, uma vez que a partir deles são produzidos os hemocomponentes, como as plaquetas.

“A necessidade de um fator não interfere na necessidade dos demais fatores, como os positivos. Temos que produzir plaquetas e outros hemocomponentes, e para isso, precisamos ter gente dentro dos hemocentros todos os dias doando. Caso contrário, não conseguimos atender à demanda da população”.

Quem pode doar

Podem doar sangue as pessoas com idade entre 16 e 69 anos, sendo que a primeira doação deve ser feita obrigatoriamente até os 60 anos. Menores de 18 anos só podem doar com a autorização dos responsáveis legais. Todo doador deve apresentar um documento original com foto.

Se o voluntário tiver almoçado, o procedimento deve ser feito três horas depois. E se for um doador frequente, ele deve obedecer ao intervalo para doação, que deve ser de dois em dois meses para homens e de três em três meses para mulheres.

Onde doar durante o Carnaval

– Hemocentro do Estado do Espírito Santo (Hemoes)

Tel. 3636-7920 / 7921- Avenida Marechal Campos, 1.468, Maruípe, Vitória. Funciona todos os dias, das 7 às 19h (cadastro do doador encerra às 18h20). No domingo (03), o funcionamento será até as 18h, com cadastro do doador até às 17h20.

Deixe seu comentário

Comments are closed.