Os médicos cubanos que estão hospedados no Sesc em Guarapari visitaram na ultima semana, as Unidades de Saúde de Guarapari e Anchieta para conhecer de perto o funcionamento das Unidades Básicas de Saúde (UBS) e Estratégia Saúde da Família (ESF) brasileiras. No entanto, neste momento os médicos estrangeiros não realizaram atendimentos a pacientes.

A visita faz parte do treinamento e capacitação realizado pelo Ministério da Saúde, visando conhecer a realidade de saúde pública brasileira, as unidades de saúde e suas diferenças os programas, equipes de saúde e as rotinas de trabalho.

GEDSC DIGITAL CAMERA
Para o médico cubano, Mario Fernandez, 43 anos, é uma oportunidade de identificar as semelhanças ou diferenças do sistema de saúde brasileiro com o cubano. Foto Rosimara Marinho

Os médicos se dividiram em dois grandes grupos sendo 370 para Guarapari e 390 para visitar postos de saúde de Anchieta. Na visita da Unidade de Saúde do bairro Bela Vista em Guarapari, nove médicos acompanharam a rotina da unidade que atende cinco bairros da região e um bairro da zona rural. Eles puderam conhecer o passo a passo das rotinas médicas da unidade.

Para o médico cubano, Mario Fernandez, 43 anos, é uma oportunidade de identificar as semelhanças ou diferenças do sistema de saúde brasileiro com o cubano. “Acredito que os problemas de saúde no Brasil, sejam menores do que os que já vimos em outros países como a Venezuela por exemplo. A missão é atender o paciente, ouvi-lo, examiná-lo, e quanto a isso, não teremos dificuldades, pois sou e somos profissionais”, disse Mario.

GEDSC DIGITAL CAMERA
Médicos visitam unidade de saúde do Bela Vista. Foto Rosimara Marinho.

Os médicos destacaram que pelo que puderam observar os problemas de saúde no Brasil são as doenças crônicas como hipertensão, diabetes, doenças cardiovasculares casos que eles já estão acostumados a lidar. A visita também serviu para os cubanos identificarem os formulários, prontuários do Sistema Único de Saúde (SUS) e como deverão preencher.

G
Médica Marta Violeta avalia a saúde da cidade. Foto Rosimara Marinho.

A médica Marta Violeta, 49 anos, disse que não se surpreendeu com o que viu, o que diferencia é o tamanho do país. “Em Cuba temos um médico para cada 1500 pessoas em média, em Guarapari a média é muito maior. Mas nós vamos ajudar a atenção primária no Brasil”, disse Marta.

Deixe seu comentário