Moradores do bairro Kubitschek, em Guarapari, estão passando por uma situação dramática. Várias casas estão sendo invadidas pelo esgoto por causa das obras do calçadão da reserva Concha D´ostra.

A obra é bem vista por todos, mas desde ontem, quando o aterro que está sendo feito, chegou nos fundos das casas que ficam na avenida Independência, os problemas começaram.

Pedro, 51 anos, sempre morou no local e diz que não dá para fazer fossa e nem ligar o esgoto na rede da Cesan. Foto: João Thomazelli/Portal 27
Pedro, 51 anos, sempre morou no local e diz que não dá para fazer fossa e nem ligar o esgoto na rede da Cesan. Foto: João Thomazelli/Portal 27

“Aqui nós não podemos fazer a ligação de esgoto na rede de coleta da Cesan porque foi construída acima do nível das casas mais antigas do bairro. A fossa séptica também não é uma opção para nós porque o terreno é alagadiço e é só cavar meio metro de profundidade que a água começa a brotar”, explica o armador Pedro Honorato Vaz, 51 anos, que morou a vida toda no local.

Sem poder ligar o esgoto das casas na rede de coleta e não sendo possível fazer fossas, a única opção é dispensar o esgoto no mangue. Mas desde que o aterro foi feito, o esgoto está ficando represado no quintal das casas.

Marinalva, 77 anos, há 50 vivendo no mesmo lugar, observa impotente o esgoto represado em seu quintal. Foto: João Thomazelli/Portal 27
Marinalva, 77 anos, há 50 vivendo no mesmo lugar, observa impotente o esgoto represado em seu quintal. Foto: João Thomazelli/Portal 27

A aposentada Marinalva dos Santos Souza, de 77 anos, vive há 50 na mesma casa e agora corre o risco de ter sua residência invadida pelo esgoto. “Daqui há pouco eu vou ter que sair de casa, porque em um dia já encheu o quintal. Não podemos fazer nada dentro de casa, nem lavar roupa e nem tomar banho, porque toda vez enche mais. A prefeitura tem que tomar uma providência rápido”, desabafou.

A dona de casa Ester Oliveira Vaz, 42, acredita que a solução é a colocação de manilhas por baixo do calçadão. “Eles (a prefeitura) disseram que será construído rede de coleta de esgoto deste lado, mas até que se faça, algum paliativo tem que ser realizado. Não podemos viver nesta situação”, cobrou Ester.

Meio Ambiente

Procuramos a prefeitura de Guarapari para saber o que pode ser feito no local de forma que os moradores tenham uma opção para o despejo de esgoto. Através de nota a secretaria de meio ambiente respondeu o seguinte secretaria de:

“A Secretaria de Meio Ambiente esclarece que os moradores daquela região encontram-se em Área de Preservação Permanente ou seja, em áreas que legalmente não deveriam ser ocupadas. Conforme legislação, em regiões ainda não atendidas pela rede de esgoto da Cesan é obrigatório que cada morador faça a implantação do sistema de fossa séptica, filtro e sumidouro evitando de jogar o esgoto em via pública, córregos, rios ou mangues.
Vale ressaltar que conforme a própria constatação da reportagem Portal 27, de que o solo não é propício para a construção de fossa séptica, ele também não é propício para a construção de moradias. Assim, um dos objetivos das obras na localidade é conter esse tipo de ocupação desordenada e a degradação ambiental causada.
O município tem mantido contato com IEMA e CESAN solicitando que seja realizada a viabilização de rede coletora de esgoto para aquela área”.

Comments are closed.