Policiais do Batalhão de Polícia Militar Ambiental (BPMA) participaram da soltura de 162 animais silvestres, na tarde desta quinta-feira (17), em uma Reserva Particular do Patrimônio Natural (RPPN), na zona rural do município de Presidente Kennedy, sul do Espírito Santo.

Alguns animais são recolhidos ou apreendidos em condições delicadas de saúde.
Alguns animais são recolhidos ou apreendidos em condições delicadas de saúde.

A ação foi acompanhada pelo biólogo e coordenador do Centro de Reintrodução de Animais Selvagens (Cereias), José da Penha Rodrigues, após cuidadosa escolha do local e parecer favorável do Ibama. Segundo o biólogo, os animais são oriundos das apreensões, recolhimentos e entregas voluntárias, e após estudos de comportamento, recebem alimentação adequada e são reintroduzidos ao seu habitat natural para viverem em liberdade e consequentemente reproduzirem e cumprirem o seu papel biológico na natureza.

Dentre os animais silvestres soltos, destacam-se dois macacos bugio, dez jabutis-amarelos, além de canários-da-terra, coleiros, sanhaços, sabiás, maritacas, dentre outros, perfazendo um total de 162 animais.

De acordo com o capitão Reinaldo Faria, comandante da 4ª Companhia Ambiental, alguns animais são recolhidos ou apreendidos em condições delicadas de saúde.

P5 COMUNICAÇÃO SOCIAL SOLTURA (6)

“Alguns animais são apreendidos em situação de estresse, mal alimentados e em condições delicadas de saúde, mas felizmente contamos com o trabalho valioso do Cereias na recuperação desses importantes animais”.

Para o capitão Roberto Martins, da Seção de Comunicação Social do BPMA, a soltura vem a coroar o fechamento de um ciclo após as apreensões e recolhimentos dos animais silvestres, quando o momento é registrado com fotos e filmagens e todo o material produzido será utilizado em atividades de educação ambiental em todo Estado, para que as atuais e futuras gerações possam apreciar esses belos animais e conhecer a sua importância para o equilíbrio do meio ambiente.

unnamed (1)

Todos os animais soltos são devidamente marcados, tendo um registro cuidadoso incluindo quantidade e sexo, além da produção de um registro fotográfico e boletim de ocorrência ambiental. Novas solturas já estão agendadas ao longo do ano em diversas regiões do Espírito santo.