A Fundação Renova se uniu às Fundações de Amparo à Pesquisa de Minas Gerais e do Espírito Santo (Fapemig e Fapes) para buscar projetos de pesquisa que proponham soluções para a recuperação econômica, social e ambiental das áreas atingidas pelo rompimento da barragem de Fundão. As inscrições estão abertas a Instituições de Ciência e Tecnologia (ICTs) sediadas em Minas Gerais ou no Espírito Santo.

A chamada está aberta para projetos de pesquisa voltados para a recuperação da Bacia do Rio Doce e a sustentabilidade socioeconômica das regiões afetadas. | Foto: Nitro Imagens

A Chamada Pública Fapemig 09/2018 vai selecionar e financiar projetos de pesquisa de até R$ 1 milhão e com prazo de 24 meses para desenvolvimento. As propostas devem abordar uma ou mais linhas temáticas já definidas na chamada, de diferentes eixos prioritários, como pesca, educação e cultura, uso sustentável da terra e monitoramento de ecossistema, entre outros. Ao todo, serão R$ 5,7 milhões de investimento. A chamada ficará aberta até o dia 31 de janeiro de 2019.

Segundo Paulo Rocha, líder da frente de fomento à economia da Fundação Renova, uma das premissas da entidade é incentivar e financiar a produção de conhecimento relacionado à recuperação das áreas impactadas pelo desastre, por meio da criação e do fortalecimento de linhas de pesquisa de tecnologias aplicadas.

“Considerando o ineditismo do rompimento e das ações de reparação, grande parte das soluções tecnológicas para os desafios encontrados pelas áreas socioeconômicas e socioambientais da Fundação ainda se encontra na fronteira do conhecimento. O apoio da Fapemig e da Fapes é essencial nesse contexto”, avalia.

O diretor de Ciência, Tecnologia e Inovação da Fapemig, Paulo Sérgio Lacerda Beirão, completa: “quando o poder público ou uma empresa enfrentam determinado problema, raramente recorrem à academia para ajudar a encontrar a solução. Há exceções, claro. Mas, no geral, a tendência é copiar soluções do exterior ou comprar tecnologias, que nem sempre são as mais adequadas. A academia pode contribuir muito, e quando não há conhecimento pronto, ela busca. A participação da ciência é fundamental para solucionar crises desse tipo, e precisamos incentivar indústria e academia a conversar mais”.

Para o diretor-presidente da Fapes, José Antonio Bof Buffon, “a Fapes, desde a primeira hora do rompimento da barragem de Fundão, se comprometeu em buscar soluções. Estamos diante de outra importante parceria entre Fapes e Fapemig, agora com a Fundação Renova. O objetivo é buscar o aprofundamento do conhecimento relacionado com o rio Doce, particularmente naqueles temas agora mais voltados para a recuperação do rio e a sustentabilidade socioeconômica da região afetada.”

Sobre a Chamada Pública. A Chamada Pública é uma iniciativa derivada do Acordo de Cooperação Técnica firmado em maio de 2017 entre a Fundação Renova, a Fapemig e a Fapes. O acordo prevê o estabelecimento de parcerias entre as instituições para o fomento e o financiamento de estudos que tenham como foco a recuperação das áreas impactadas pelo rompimento da barragem de Fundão, em Mariana.

As linhas temáticas foram levantadas junto às áreas técnicas da Fundação. Elas serão norteadoras do tipo de pesquisa desejado e auxiliarão no processo de seleção dos projetos inscritos:
*Educação e Cultura
*Memória Histórica, Cultural e Artística
*Pesca
*Monitoramento de Ecossistemas
*Uso da água
*Uso Sustentável da Terra
*Novos processos para Gestão do Conhecimento e Governança
*Organização Social
*Manejo de Rejeitos

Confira mais informações no site da Renova

Comments are closed.