O Departamento Nacional de Produção Mineral (DNPM), autarquia do governo federal vinculada ao Ministério das Minas e Energia, deu sua anuência para a solicitação da Samarco de utilização da chamada cava de Alegria Sul para disposição de rejeitos, conforme processo de licenciamento em curso na Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável de Minas Gerais (Semad).

Caso a Samarco descumpra a decisão, deverá pagar multa diária de R$ 1 milhão. Foto: Vinícius Rangel.
Samarco poderia retomar as atividades no Espírito Santo. Foto: Vinícius Rangel.

A utilização da cava, caso aprovada também pelo órgão ambiental do Estado,  é a solução mais segura encontrada pela empresa para viabilizar a continuidade de suas atividades, paralisadas desde o rompimento da barragem de Fundão, em novembro do ano passado.

De acordo com a autarquia, “a solução proposta é extremamente segura, uma vez que se trata de disposição em cava proporcionando confinamento do rejeito”.  A cava de Alegria Sul não tem conexão física com a área de barragens da Samarco. O processo de licenciamento da cava é o primeiro passo para o retorno das atividades operacionais da empresa.