O “papo sociológico” traz, desta vez, um texto do cientista social, mestre em Sociologia pela Universidade Federal do Ceará, que tem por objetivo problematizar a concepção de “bom senso”. Segue o texto:

Seja nas pequenas cidades ou nas grandes metrópoles, os problemas urbanos são motivos de dor e adoecimento da população. Desde a necessidade de saneamento básico até o bom senso de não parar seu carro atrapalhando o fluxo do trânsito. Todas essas chamadas medidas de bom senso podem melhorar em muito a vida de todos. Porém, existe um tipo de “bom senso” perigoso e cruel, que mata mais que fuzil nas mãos de uma criança.  Esse bom senso, a teoria sociológica chama de senso comum. Tomamos como parâmetro de nossas ações valores que não são pensados ou questionados em nosso cotidiano. Dificilmente ouviremos alguém dizendo o cumprimento habitual do “bom dia” sem que o outro não responda da mesma forma, mesmo que este dia não esteja tão bom.

images (10)

Em grandes cidades, onde os índices de violência ultrapassam a média nacional, eu já vi autoridades policiais pedindo para que a população e os turistas não andassem com objetos de valor expostos, relógios, celulares, joias… Esconder os bens valiosos seria uma atitude de bom senso? Talvez, mas nem de longe é uma resposta ao problema da violência urbana. Colocar policiamento em áreas de risco pode ser uma política pública bem intencionada, e uma atitude de “bom senso” (do tipo perigoso à longo prazo), mas isso também está longe de solucionar o X da questão.

Acreditar no “bom senso” de que o policiamento ostensivo, sigiloso, intensivo ou extensivo irá sanar a criminalidade é o mesmo que varrer a poeira para baixo do tapete na frente das visitas. A marginalidade tem uma lógica, os “monstros” construídos pela sociedade têm motivos de serem assim. Tais razões não justificam seus erros, mas explicam bem o que ocorreu e o que pode acontecer. Quando um jovem de classe menos favorecida busca emprego e não consegue uma vaga, seja por não ser qualificado, ou por uma crise financeira na economia local, isso o empurra um pouco mais para a margem da sociedade. Pedir a redução da maior idade penal pensando que isso irá sanar a violência é um engano do “bom senso” das pessoas.

images (11)
Outro dia vi um exemplo desse senso comum que se faz de “bom senso”, quando meu vizinho reclamava da sujeira da nossa rua e eu me lembrei de que no dia anterior ele mesmo, com ar de descuido, deixava cair um papel amassado na calçada. A senhora educada, gentil e cristã que ora fervorosamente para paz no mundo e a cura do câncer é a mesma que faz questão de parar seu carro no meio da avenida principal no horário de pico, pelo simples motivo que não havia vagas para estacionar e ela precisava parar e pagar as contas na lotérica.

O senso comum que popularmente chamamos de bom senso, que pede soluções imediatas, respostas simples e políticas públicas que até uma criança de 7 anos consegue criar, não ajuda ninguém a nada. Desculpem, ele ajuda sim… Ajuda a manter políticos incompetentes em empregos públicos, gestores incapazes com seus salários bem cotados e uma população cada vez mais doente e insatisfeita. Esse bom senso de bom não tem nada, e no final das contas, o bom senso acaba virando a desculpa de muitos para os erros de todos.

 Pedro Mourão é professor e pesquisador. Mestre em Sociologia pela Universidade Federal do Ceará

Deixe seu comentário