Outrora unidos politicamente e agora afastados, o ex-prefeito de Guarapari, Edson Magalhães (DEM), atualmente deputado estadual, e o atual prefeito de Guarapari, Orly Gomes (DEM), estão respondendo juntos a uma ação de improbidade administrativa.  Os dois tiveram uma decisão desfavorável do juiz Thiago Vargas Cardoso, da 3ª Vara da Fazenda Pública Estadual, que determinou o recebimento da denúncia ajuizada pelo Ministério Público Estadual (MPES).

Edson seria secretário de Orly
Edson e Orly: outrora unidos politicamente e agora afastados,

A denúncia é relativa por uma suposta omissão na fiscalização de um supermercado no município. De acordo com o Juiz, existem indícios de “complacência dos requeridos com o irregular funcionamento do estabelecimento”.

Em sua decisão, o magistrado apontou que a denúncia inicial foi acompanhada de prova documental.  “Assim, certo é que a anuência dos requeridos quanto ao irregular funcionamento de estabelecimento comercial (Supermercado Casagrande) pode, se comprovadas as alegações [do Ministério Público], se amoldar [às condutas previstas] na Lei de Improbidade Administrativa”, diz um dos trechos da decisão assinada no último dia 14 de janeiro.

EdsonOrly
Os dois tiveram uma decisão desfavorável do juiz Thiago Vargas Cardoso, da 3ª Vara da Fazenda Pública Estadual.

O processo é datado de junho de 2014. Edson e Orly afirmaram que agiram dentro da lei. Mas o juiz Thiago Vargas entendeu que as justificativas não foram suficientes para afastar o teor da denúncia do Ministério Público. Com isso, o processo deverá ter início após a apresentação da contestação, ou seja, resposta formal , dos dois às acusações.

Direitos políticos. O Ministério Público chegou a pedir a indisponibilidade dos bens dos denunciados, mas o pedido liminar foi rejeitado pela Justiça. A promotoria pede a condenação de Edson e Orly à suspensão dos direitos políticos, além do pagamento de multa e o ressarcimento de eventual dano ao erário. A decisão pelo recebimento da denúncia ainda cabe recurso por parte dos réus.

Procurado por nossa reportagem, o prefeito respondeu através de uma nota da Secretaria de Comunicação, dizendo que só vai se manifestar nos autos do processo.  A reportagem do Portal 27 também ligou para o gabinete do deputado Edson Magalhães, mas a assessora de comunicação informou que o deputado não estava em seu gabinete e que não tinha deixado nenhuma resposta para a imprensa sobre o caso.