O incêndio que atingiu o Parque Paulo César Vinha no último dia 20, foi o pior registrado na história. O estrago foi tão grande, a ponto de não ser possível estimar o tempo necessário para a recuperação. Em mais de 72 horas, foram devastados pelo fogo, 500 hectares da mata de restinga, o que significa um terço do total da área de preservação, que possui 1 500 hectares.

965519_433373496806308_57387178_o

Para identificar a melhor forma de recuperação da área atingida pelo fogo no Parque Estadual Paulo César Vinha, em Guarapari, o Instituto Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Iema) irá elaborar um relatório ambiental sobre o incidente. Este foi o maior incêndio ocorrido no local. A estimativa é que foram atingidos uma área equivalente a 500 campos de futebol.

O fogo foi controlado no sábado (22) e a região vem sendo monitorada por equipes do Iema e do Corpo de Bombeiros, que trabalha com a hipótese de que o incêndio tenha começado após a queima de lixo em casas no entorno do Parque.

O diretor-presidente do Iema, Tarcísio Föeger, ressaltou a importância da atuação das equipes na contenção das chamas. “Mesmo com condições tão adversas como vento forte, vegetação seca e vários focos ao Norte e Sul da unidade, os trabalhos foram perfeitos. Sem dúvida houve grande evolução se compararmos as atitudes tomadas no último incêndio, em 2008, quando 400 hectares foram queimados”, afirmou.

28065_433432033467121_1765012327_nO relatório ambiental será iniciado após o encerramento do monitoramento no local e tem previsão de ser concluído em 15 dias. Será realizado um levantamento das áreas e espécies de vegetação afetadas pelo fogo com o intuito de identificar os locais prioritários para o início da recuperação e para implantação do Programa de Controle e Combate a Incêndios.

O trabalho de recuperar restingas é altamente complexo em função do solo arenoso que dificulta o cultivo. Porém, a vegetação rasteira foi a mais atingida, o que irá colaborar para a restauração do Parque. Outra dificuldade serão as áreas brejosas, que dependem de regeneração natural.

Também será feita identificação dos animais que foram mortos em função do incidente. Foram encontrados durante o combate ao fogo pacas e capivaras, além de ninhos de pássaros e répteis, que possuem deslocamento mais lento.

Com informações do governo.

Deixe seu comentário