Policiais Militares do Batalhão de Polícia Militar Ambiental (BPMA) apreenderam diversas aves suspeitas de receberem maus-tratos, na tarde de domingo (16), em um condomínio no bairro Palmeiras, zona rural de Guarapari. Os policiais chegaram até o local através de denúncias anônimas de possíveis maus-tratos e irregularidades nas documentações das aves.

No lugar denunciado, os militares entraram em contato com o responsável pelas aves, um homem de 42 anos. A equipe solicitou que ele apresentasse a documentação dos animais, no entanto foram apresentadas somente duas notas fiscais referentes a dois tucanos e dois papagaios da espécie Amazonas aestiva, popularmente chamada de papagaio-verdadeiro. De acordo com o responsável, os papagaios haviam morrido.

collage 132
Os policiais chegaram até o local através de denúncias anônimas .

Em outra nota fiscal havia discriminação de duas araras-canindé. A equipe verificou que a numeração das anilhas nas aves não conferia com as da documentação. Segundo o sargento Clovis Fernandes, foi registrado um boletim de ocorrência ambiental com relatório fotográfico. “No interior dos viveiros existiam muitas fezes, restos de comidas e de frutas, a água estava amarela e com mau cheiro, motivos pelos quais as aves exóticas também foram recolhidas”, ressaltou o sargento. Disse ainda que o papagaio-chauá e o periquito estavam soltos no quintal, porém, sem condições de voar, e que a asa do papagaio estava machucada e sem as penas que sustentam o voo.

As aves foram apreendidas e o responsável encaminhado ao DPJ de Guarapari e apresentado à autoridade local. Ao todo foram apreendidas duas araras-canindé, dois tucanos, um papagaio-chauá, um periquito, uma arara-colombiana, uma jandaia e dois ring necks. Ao final da ocorrência, as aves foram levadas para o viveiro da 1ª Companhia Ambiental em Cariacica, de onde serão levadas para o Centro de Reintrodução de Animais Selvagens (Cereias), localizado em Barra do Riacho. Toda a documentação produzida será também encaminhada para o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), para averiguação das notas fiscais e anilhas.

Deixe seu comentário