No ano de 2013, a cidade de Guarapari viveu uma crise na saúde. Entre os meses de janeiro e fevereiro – mais precisamente entre os dias 08 de janeiro e 20 de fevereiro – sete bebês morreram no Hospital São Judas Tadeu, que atendia pelo SUS, como maternidade  na cidade.

DSC06756
Hospital São Judas Tadeu atendia como maternidade pelo SUS. Foto Wilcler Lopes.

O São Judas, era o único hospital maternidade que  Guarapari tinha. Após essas mortes, ele foi interditado e pouco depois voltou a funcionar somente com atendimento ambulatorial. Sem maternidade, a cidade começou a mandar suas grávidas para o interior e outras cidades da Grande Vitória.

Manifestação Saúde
Na época, população protestou contra a situação grave da saúde em Guarapari. Foto Wilcler Lopes.

Na época das mortes, a cidade vivia uma gestão interina, pois o prefeito era o presidente da Câmara Wanderlei Astori (PDT). Em março, em plena crise na saúde, o prefeito Orly Gomes (DEM), assumiu e  fez questão de ressaltar que  saúde era a prioridade.

Ele confirmou que iria entregar durante o seu mandato, o Hospital Cidade Saúde, que foi promessa do ex-prefeito Edson Magalhães. Nos bastidores inclusive, pessoas próximas ao ex-prefeito Edson, dizem que ele é totalmente contra a maternidade no UPAI, pois as verbas conseguidas por ele em Brasilia, já estariam depositadas na Caixa Econômica Federal, para a construção do Hospital Cidade Saúde.

Hospital Cidade Saúde
Hospital Cidade Saúde na localidade da Praia dos Adventistas estaria com verba para a sua conclusão. Foto Wilcler Lopes

Veja o discurso de posse de Orly onde ele fala da saúde e do hospital.

Sem solução

Já se passou um ano desde as mortes dos bebes no hospital São Judas. Depois de idas e vindas, a solução encontrada pela administração de Orly Gomes, foi passar a Unidade de Pronto Atendimento da Cidade (UPAI), para a associação Hospital Infantil Francisco de Assis (Hifa), de Cachoeiro de Itapemirim administrar e  transformar  o UPAI em maternidade.

Essa solução foi bastante criticada por algumas pessoas quando foi anunciada. Muitos entendiam que ali não era o lugar ideal para se transformar em maternidade, visto que, na visão dos especialistas é um dos poucos projetos de saúde que funciona em Guarapari.

UPAI
UPAI será repassado para a associação do Hospital Infantil Francisco de Assis (Hifa). Foto Wilcler Lopes.

Contra. A reportagem do Portal 27 foi procurada por quem entende de saúde. Médicos que atendem no UPAI, chamaram nossa equipe para criticar a saúde. Eles são definitivamente contra a absorção da UPAI pelo Hifa. “O parecer da própria procuradoria da prefeitura foi contra esse convênio. Por isso, não tem nada assinado”, diz um médico ouvido pelo portal.

Ainda de acordo com ele, o convenio foi pensado por causa do caráter de emergência que a cidade vivia. “Mas isso já vem rolando há vários meses. Isso vai demorar quanto tempo mais?”, perguntou ele explicando que o certo seria uma licitação.

Médico
“Aqui não tem estrutura para maternidade. Eles querem fazer no terceiro andar. Não tem estrutura”, diz médico.

O médico disse que o UPAI não tem condições de ser transformado em maternidade. “Aqui não tem estrutura para maternidade. Eles querem fazer no terceiro andar. Não tem estrutura. Não tem centro cirúrgico, não tem UTIN, não tem nada. Como eles estão querendo tomar isso aqui sem estrutura? Isso aqui foi feito para pronto atendimento e não para hospital. Vão ter que quebrar tudo”, disse.

Ainda de acordo com ele, quase todos os dias, funcionários do Hifa estão no UPAI, medindo, falando em derrubar paredes e construir. “Só não quebraram ainda porque não tem convênio assinado”, disse.

“Enterraram a saúde”

Outro médico ouvido pelo Portal 27 também disse não entender porque fazer uma maternidade no UPAI.  “Temos dois hospitais na cidade (São Judas e Nossa Senhora da Conceição), que estão praticamente quebrados. Dois hospitais que tem uma sala de parto, três salas de cirurgia cada um e fechados. Agora por que pegar um imóvel desse, que não tem sala de cirurgia e sala de parto pronto e modificar?”, desabafa.

O médico diz que tanto o Hospital Nossa Senhora da Conceição, quanto o São Judas, após uma pequena reforma, seriam os locais ideais para a criação da maternidade.

De graça. Ele denuncia que não existiu interesse por parte do Hifa nestes dois locais, porque teria que haver uma investimento maior. “Com cinco milhões de reais, você paga o que o Nossa Senhora da Conceição deve a todo mundo e entra sem dívidas. Agora o que você acha melhor ? Pagar cinco milhões lá, ou entrar de graça aqui no UPAI, sem gastar um tostão? Essa é a realidade”, critica.

médico2
“O que você acha melhor ? Pagar cinco milhões lá, ou entrar de graça aqui no UPAI, sem gastar um tostão?”

Segundo ele, qualquer um que pegar o repasse que será feito pela prefeitura e pelo estado, para o Hifa administrar o UPAI – que seriam ao todo mais de um milhão de reais por mês – montaria uma maternidade. “Eu com esse dinheiro, resolveria o problema da cidade”, disse  o médico.

Ainda segundo eles, O UPAI foi uma ótima solução de saúde. “Resolveu o problema para as crianças”, dizem. Outro ponto que os médicos chamam atenção é para a questão dos equipamentos. “Nós temos um raio x digital aqui que vai ficar com eles. Sendo que nós precisaríamos desse lá na UPA, pois o de lá está com defeito. Você acha justo isso?”, pergunta.

Para finalizar os médicos comentam a gestão da saúde em Guarapari. “Está o caos”, diz um deles. O outro diz que pacientes pela cidade, demoram até três anos para conseguir cirurgias simples. “Tudo que foi feito na saúde anos atrás foi por água abaixo. Para mim, quem entrou  lá, enterrou a saúde”, fala, referindo-se a gestão da Secretaria Municipal de Saúde.

Promessas. Alguns funcionários da UPAI ouvidos pelo Portal27, já foram avisados que serão contratados pelo Hifa e segundo eles, começam  treinamento nesta semana. Eles dizem que a instituição está fazendo muitas promessas em relação à qualidade do atendimento. “As consultas do SUS vão ser feitas nas Unidades de Saúde, mas as emergências continuarão a ser feitas no mesmo local. A Hifa garantiu que tudo será feito aqui, não será necessário transferência como fazem hoje. Atualmente, crianças chegam lá para procedimentos simples, como fratura, e são encaminhadas para outros municípios”, conta o profissional que não quis se identificar.

inaugUPAI17
Médicos dizem que o HIFA escolheu o UPAI, por causa da estrutura pronta.

Dia 3.  Ele ainda fala que o Hifa garantiu que UPAI/maternidade será referencia na região. “Eles também afirmam que haverá UTI Neonatal. A conversa é a de que o objetivo é transformar o espaço em referência nesses tipos de atendimento na Região Sul. Comenta-se que a instituição arrendou o prédio ao lado, mas isso ninguém confirmou. Espero que as promessas sejam cumpridas. O fato é que no próximo dia 3 o espaço já começa a funcionar como Hospital Materno-Infantil”, afirma.

O Portal 27 procurou a prefeitura de Guarapari para saber  respostas sobre o andamento da maternidade e também sobre o hospital Cidade Saúde.  Foram encaminhadas algumas  perguntas, mas nem todas foram respondidas. Confira abaixo:

Portal27: Quando a associação de Cachoeiro assume definitivamente o UPAI?

Resposta:  A UPAI continua funcionando normalmente 24h por dia. O convênio estenderá além dos atendimentos às crianças de 0 a 12 anos já existente, os serviços de maternidade.

Portal27: O convênio já foi assinado?  Se sim, gostaríamos de uma cópia.

Portal27: Qual o valor que o município vai repassar para a associação?

Portal27: Qual o valor que o estado vai repassar?  (existe verba federal também? Quanto?)

Portal27: Serão cedidos funcionários?

Resposta:  O convênio é um procedimento administrativo que trata de muitas minúcias, está em fase de conclusão, em análise do plano operacional para o mais breve possível, mas ainda sem data de conclusão.

Portal27:  Como está a situação do Hospital e Maternidade Cidade Saúde na Praia do Morro?

Portal27: Soubemos que já existem verbas liberadas para esse e hospital, Isso procede? Quanto?

Portal27: Com essas verbas,quando as obras deste hospital começam? Qual o prazo para entregar este hospital?

 Resposta: Há um recurso empenhado na Caixa Econômica de R$ 3,5 milhões aguardando a obra ser iniciada para ser liberado.

A Prefeitura deverá publicar o Edital do Processo Licitatório do Hospital Maternidade na próxima semana, data a ser confirmada.

O Hospital Maternidade Cidade Saúde será um investimento em parceria entre a Prefeitura, Gov. do Estado e Ministério da Saúde. Um investimento total de cerca de R$ 18 milhões para viabilizar a sua construção.

Deixe seu comentário