Os comerciantes da Praia de Peracanga estão proibidos de colocar mesas e cadeiras para os clientes na areia da praia. A proibição foi comunicada hoje pelos fiscais do município aos donos das cabanas que ficam no início da praia. Com a proibição, os comerciantes preveem uma queda de até 80% no faturamento no período do carnaval.

A decisão foi baseada em um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) de 2003. Os comerciantes, que passaram o ano todo servindo os turistas nas areias da praia, reclamam da falta de prazo para se adequarem a nova situação pela proximidade do carnaval, período em que o faturamento é mais alto.

Os comerciantes foram proibidos de colocar mesas e cadeiras nas  areias da Praia de Percanga
Os comerciantes foram proibidos de colocar mesas e cadeiras nas areias da Praia de Peracanga. Foto: João Thomazelli/Portal 27

“Nós recebemos a notificação hoje (05) e já estamos proibidos de colocar mesas na areia. Não nos deram tempo para nada. Com isso, vamos ter que demitir funcionários e o turista vai perder a comodidade de poder almoçar com a família na praia”, lamentou José Castro Alves, que trabalha na Praia de Peracanga há 37 anos.

Os comerciantes alegam que no ano passado foram autorizados pela prefeitura a usarem 20 jogos de mesas nas areias. Com a proibição, alguns já pensam em desistir de trabalhar na praia.

“Nós fizemos as compras para trabalhar no carnaval e os fornecedores não vão aceitar a devolução do que foi comprado. Os cheques vão ser compensados e eu não sei o que vou fazer para cobri-los. Eu vivo da praia, não sei o que fazer”, reclama outro comerciante.

Comerciante mostra as mesas que estão proibidas a partir de hoje. Foto: João Thomazelli/Portal 27
Comerciante mostra as mesas que estão proibidas a partir de hoje. Foto: João Thomazelli/Portal 27

Pelas contas dos donos de cabanas da Praia de Peracanga, pelo menos 40 pessoas vão perder o emprego, além dos pequenos fornecedores.

“Além de termos que demitir, quem vai ficar no prejuízo também é o vendedor de peixe, o vendedor de limão, de verduras… Várias pessoas vão ser prejudicadas com esta decisão, só porque uma ou outra pessoa não gosta de ver cadeiras nas praias. Nós não ouvimos os frequentadores das cabanas reclamando das mesas. Todo mundo vai perder com isso, inclusive o município, pois o turista de qualidade que eles querem, frequenta Peracanga”, finalizou um comerciante.

A Prefeitura de Guarapari

Segue, na integra, a nota enviada pela Prefeitura de Guarapari

A Prefeitura de Guarapari apenas fez cumprir uma notificação da Secretaria do Patrimônio da União do Espírito Santo (SPU) recebida ontem (04), às 17h.

Nela, a SPU comunicou ao município sobre uma decisão do Ministério Público Federal, quanto ao cumprimento do TAC (Termo de Compromisso de Ajustes e Condutas) de 2003, no que diz respeito à ocupação de mesas, cadeiras, equipamentos ou atividades nas areias das praias da localidade da Enseada Azul.

Coube ao município, notificar os comerciantes sobre a decisão judicial, reafirmando os termos do cumprimento do referido acordo, incidindo multa diária em caso de descumprimento. A sentença entra em vigor a partir desta data (05/02/2015).