Antes mesmo de ser implantado em Guarapari, o sistema de estacionamento rotativo está sendo discutido a todo vapor entre a prefeitura e as empresas que disputam a concessão para explorar o serviço. Um dos assuntos já abordados, previsto no edital, é a cobrança do rotativo através da placa do veículo. Ao estacionar, o motorista fará a compra do ticket através do número da placa, e o valor creditado será pelo tempo de permanência na vaga, ou seja, se o ticket adquirido foi por três horas, e o motorista ficou estacionamento na vaga por apenas 30 minutos, ele poderá usar o mesmo ticket para estacionar em outras vagas do rotativo até completar as três horas pagas.

Estacionamento
O veículo estará sujeito a guincho, e o condutor poderá ser multado caso ultrapasse o tempo máximo de permanência na vaga. Foto Marcelo Silva/Portal27

O tempo limite para permanecer estacionado em cada vaga, vai depender da área. Na área comercial/urbana, identificada como áreas 1 e 2, no Centro e em Muquiçaba, o tempo máximo de permanência é de quatro horas. E na área 3, que compreende as orlas de Praia do Morro, Centro e Meaípe, os veículos poderão ficar até seis horas ocupando a vaga. Passado este tempo, o veículo estará sujeito a guincho, e o condutor poderá ser multado.

Todo o sistema será controlado por meio de aparelhos eletrônicos e informatizados. As empresas habilitadas já apresentaram o sistema, e em uma delas, o usuário receberá até SMS informando que o tempo estará acabando. Um APP poderá ser baixado através do aparelho móvel, para que os motoristas saibam de vagas disponíveis através do mapa, que vai identificar as ruas do rotativo. Neste programa também será possível saber se a placa possui crédito para estacionar.

Apenas duas, das cinco empresas interessadas na concessão do estacionamento rotativo na cidade, estavam habilitadas a explorar o serviço. Mas a partir de um mandado de segurança entregue no meio da reunião, que aconteceu na prefeitura na última quarta feira (4), uma terceira empresa poderá ser reabilitada e tem o prazo de cinco dias para apresentar recurso.

Inicialmente, cerca 3500 vagas serão criadas no Centro, Muquiçaba e nas orlas da cidade. A cobrança será feita através dos agentes. Os carros terão que pagar R$ 1,00 por meia hora, R$ 2,00 para 1 hora, R$ 3,00 por 2 horas e R$ 4,00 por 3 horas. Para as motocicletas será cobrado R$ 1,00 por hora. “A ideia é que um motoboy gaste no máximo dois reais por dia, para fazer todas as entregas”, explica o presidente da comissão de licitação que acompanha o processo, Otávio Postay. Ele garante ainda, que o prazo vai depender muito do desfecho do recurso, mas que deve ser implantado até o começo de Abril.

Deixe seu comentário

Comments are closed.