Para os cristãos a Semana Santa é a época de celebrar a Paixão, a Morte e a Ressurreição de Jesus Cristo e na Sexta-feira Santa não se deve consumir carne, por isso, o alimento é substituído por peixes. Mas, no Espírito Santo esse também é o momento de saborear um tradicional prato, a torta capixaba. Ela é famosa, mas você sabe como ela surgiu?

O jornalista, historiador e também autor da famosa frase “Moqueca é capixaba. O resto é Peixada”, Cacau Monjardim relatou que a torta capixaba existe há 400 anos. “A torta capixaba é quadricentenária. Ela é o prato mais nobre do Espírito Santo porque é inteiramente capixaba dos pés à cabeça”.

A torta capixaba é um prato tradicional do Estado.

Ele afirmou que “a torta é fruto da influência indígena e da larga fertilidade do nosso litoral, que permitia ter acesso fácil a peixes e a mariscos e se aliava as condições do próprio negócio agrícola onde eram importantes o palmito, o urucum, a cebola, o coentro e todas as demais coisas. Nós como grandes produtores hoje, inclusive, de ovos e galinhas temos o ovo como uma coisa importante da torta capixaba. Mas, os índios já faziam a torta e com o passar do tempo ela foi ganhando a expressão capixaba”, explica ele.

Bacalhau. Segundo Cacau, inicialmente o bacalhau não era usado na torta. “A verdadeira torta capixaba não leva bacalhau. Não condeno quem coloca bacalhau hoje porque é uma questão de gosto, mas o bacalhau passou a ser usado porque da influência dos portugueses que vieram para cá participar da colonização e trouxeram o bacalhau para fazer as bacalhoadas. Os donos da terra acabaram se habituando a ter o bacalhau porque o pescado ficava muito caro naquela época e o bacalhau veio cumprir o papel de parceiro de alguns pratos nossos. Ele é sem dúvida alguma um grande produto, mas não é fundamental estar presente na torta. O bacalhau pode estar na torta porque não compromete em nada, mas digamos que é uma torta genérica”.

O jornalista e historiador Cacau Monjardim relatou que a verdadeira torta capixaba não leva bacalhau.

Releituras. Ele também criticou as chamadas “releituras” do prato. “Eu já vi até sujeito dizer que tem que colocar abobora na torta, como é possível? Esse negócio de releitura é uma idiotice. Isso se faz quando as coisas estão erradas, mas quando os pratos são perfeitos e tem 400 anos de tradição o negócio é cumpri-los na sua íntegra”., afirma.

O historiador lembrou ainda que tanto a torta quanto a moqueca capixaba ficam mais saborosas quando preparadas na panela de barro. “Em 1575 no Espírito Santo a pescaria era uma das mais fortes e graduais do país e viemos mantendo essa tradição. Guarapari, por exemplo, possui restaurantes que estão perfeitamente prontos para preparar a torta e a moqueca. As duas e a panela de barro são irmãs siamesas. Todas em conjunto, armadas para servir os capixabas e os turistas que nos visitam”, relatou Cacau.

5 COMENTÁRIOS

  1. Heya i aam for the first tie here. I came acrosss this board and I find It
    truly useful & it helped me out much. I hope to give something back and aid others like you helped me.

    Also visit my homepage Chara

  2. Hey would you mind statinjg whjich bloog platform you’re using?
    I’m planning to start my own blog inn the near future but I’m having a difficjlt
    time choosing between BlogEngine/Wordpress/B2evolution and Drupal.
    The reason I ask is because your deseign and style seems different then most blogs and I’m
    looking forr something completely unique.
    P.S My apologies for getting off-topic but I had to ask!

    Look at my blog post Randell

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your name here
Please enter your comment!