Emilly dos Santos Ferreira tem apenas 12 anos e pratica luta olímpica há aproximadamente 8 meses. Moradora de Guarapari, a adolescente esteve na Hungria no último fim de semana já se destacou no esporte conquistando o terceiro lugar na modalidade Luta Olímpica do Campeonato Mundial Escolar Combat Games, na Hungria, na última semana (19).

Lutadora de Guarapari conquista terceiro lugar no mundial

Elisangela Germano, mãe da adolescente, não pôde viajar junto, mas ficou de casa torcendo pelo sucesso da filha. “No dia da luta dela eu estava assistindo pelo facebook e a cada luta dela eu vibrava só coisas boa pra ela, porque foi mérito dela própria com foco, dedicação e humildade. Eu sabia q ela iria dar o seu melhor, mas os atletas com os quais ela iria competir eram muito bem preparados. A modalidade que ela competiu não e conhecida pelas pessoas, é algo novo aqui, mas mesmo assim ela lutou com garra e fé em Deus acima de tudo”, afirmou a mãe orgulhosa.

Atletas na Hungria

Emilly é Aluna de uma escola municipal de Guarapari e participa do Projeto Luta Olímpica da cidade no Complexo Esportivo Maurice Santos, em Muquiçaba. Ela estava treinando apenas duas horas por semana. Agora, segundo a mãe, ela também está treinando no projeto Alma, no Ipiranga. A adolescente faz jiu jitsu e judô três vezes por semana.

A atleta quer chegar às Olimpíadas, para isso tem um percurso a ser feito. “Os planos imediatos são participar do Jogos Escolares do Espirito Santo, conseguir se classificar para o brasileiro e se tornar campeão brasileira em Blumenal – SC, em novembro desse ano no Jogos Escolares da Juventude”, afirmou a mãe de Emilly.

Atleta trouxe para Guarapari o título de 3º lugar na Luta Olímpica

Emilly nunca recebeu patrocínio, sua viagem à Hungria só foi possível por ser filiada ao CBDE (Confederação Brasileira de Desposto Escolar) que custeou a despesa da atleta. “Nossos órgãos públicos faltam olhar mais para nossos pequenos atletas, daqui de todo o estado do ES ela foi a única, o que ela não faria com apoio da Prefeitura u de outros. Às vezes ela não consegue nem ir ao treino por falta de dinheiro de passagem e já deixou de participar de vários outros campeonatos por falta de verba”, desabafou a mãe que destaca a importância do técnico de Emilly, Vinicius da Silva Abreu, “que nunca é lembrado, mas é de fundamental importância em suas conquistas”, finalizou.

Para continuar sua carreira como atleta, Emilly precisa de patrocíno ou apoio. O projeto onde ela treina precisa também de doações para continuar atendendo a ela e a outros atletas. Quem puder ajudar deve entrar em contato com Elisângela pelo telefone (27)99531-9470.

Deixe seu comentário