A erosão que atinge a Praia de Meaípe vai receber um reforço científico, um geógrafo da Universidade de São Paulo (USP), se juntou ao grupo de pesquisadores que estudam as areias monazíticas do local para analisar a erosão que vem atingindo a Praia nos últimos anos.

A erosão da Praia de Meaípe virou objeto de estudo dos cientistas que estão analisando as areias monazíticas da praia. Foto: Rosimara Marinho

No final de semana, aconteceu no balneário o II Workshop sobre as Areias Monazíticas – Entendendo a erosão. Na ocasião, o pesquisador Dr Luis A. Conti veio para apresentar proposta de estudo para o litoral sul do ES com o tema: O mar avança – causas e consequência da erosão costeira.

Segundo o geógrafo, para estudar a erosão costeira, será necessário analisar 3 fatores principais: o monitoramento, mapeamento e gerenciamento.

“O monitoramento, para entender ao longo do tempo como esses processos, principalmente relacionados a ondas eles se comportam.  O mapeamento ou seja, como esses processos estão distribuídos no espaço, se essas ondas refletem mais, se são mais intensas numa parte da praia ou em outra. E o gerenciamento – que é o que a gente faz depois que se identifica esses padrões, quais são as alternativas possíveis em termos de engenharia, em termos de respostas que a gente pode dar”, explicou.

Comentou ainda que no caso de Meaípe em que esse processo está acontecendo de maneira bem intensa, tudo será analisado detalhadamente.

E acrescentou que o processo de erosão costeira ocorre no Brasil inteiro, desde o Sul do Rio Grande do Sul até o litoral da Amazônia.

O subsecretário de estado do Turismo, Gedson Merísio, também esteve no evento. Segundo ele, o projeto de engordamento da praia de Meaípe, previsto para ser implantado a partir do ano que vem (Leia Aqui) está contando com as pesquisas dos cientistas.

“Nós estamos unindo os projetos que ele já tem com aquilo que nós temos com a engenharia do Governo do Estado para estarmos fazendo juntos essas pesquisas e anteciparmos o processo da obra. São obras que demorariam muito, mas como nós já temos um estudo em mãos do professor e de todos esses que têm surgido, tem nos ajudado na antecipação da decisão da obra”, disse.

Dessa vez, os cientista trouxeram ao evento que está cada vez mais próximo de tornar Guarapari como única no mundo que tem areias monazíticas comprovando cientificamente através de publicação em revista internacional. Leia mais aqui

As máquinas estão trabalhando para acelerar as obras do muro de arrimo no local, segundo a prefeitura. Foto: Divulgação PMG.

Com relação as obras do muro de arrimo, que estão sendo feitas pela Prefeitura de Guarapari, elas estão em andamento. Nesta segunda-feira (02), com a maré baixa, várias frentes de serviços foram montadas pela empresa, informou a prefeitura.

 

 

 

Deixe seu comentário