Com apenas seis assessores nomeados para trabalhos no gabinete, o deputado estadual Sergio Majeski (PSB) inicia o segundo semestre na Assembleia Legislativa com R$ 291 mil já economizados de recursos públicos no mandato, apenas em 2021.

Controle. A economia é resultado do controle eficiente dos gastos com a contratação de pessoal e com a verba de gabinete, utilizada apenas em 18% do total disponível. Somados todos os anos de mandato, desde 2015, a economia de Majeski se aproxima de R$ 3,2 milhões.

Majeski ultrapassa R$ 3 milhões economizados na Assembleia Legislativa

“Esse é um compromisso assumido desde antes de me tornar deputado. O zelo e o cuidado com os recursos sempre foram uma premissa. Sempre abordei o tema na sala de aula e não poderia fazer diferente ao assumir o mandato. Cada deputado pode nomear até 19 assessores e atualmente temos apenas seis, com todos trabalhando no gabinete”, destaca Majeski.

R$ 1,2 milhão. No atual mandato (2019 a 2021), a economia de Majeski é de R$ 1,2 milhão. Mesmo economizando tanto, o desempenho parlamentar não é comprometido. Com 100% de presença nas sessões plenárias e nas reuniões de comissões, no período, foram 422 proposições apresentadas, entre Projetos de Lei, de Lei Complementar e de Resolução, Propostas de Emenda à Constituição e Indicações em favor da sociedade.

“Se todos os 30 deputados da atual legislatura proporcionassem uma economia como a nossa, seriam cerca de R$ 36 milhões de saldo no Poder Legislativo que poderiam ser utilizados em áreas prioritárias, como Educação, Saúde e Segurança, por exemplo”, completa Majeski.

Em 2020, a Assembleia Legislativa custou aos cofres públicos cerca de R$ 225 milhões e para 2021 a previsão orçamentária estima o mesmo valor, mais R$ 225 milhões.